681818171876702
Loading...

TESTE-DRIVE DE CRENTE: E SE ELE(A) NÃO FOR BOM/BOA DE CAMA?


Dani Marques

Creio ser esta uma questão bastante relativa. Como você definiria um parceiro bom de cama? Um expert em preliminares? Um mestre em sexo selvagem? Uma garota sem pudores? É certo que para uns, um formato de sexo pode ser simplesmente extraordinário, mas para outros, igualmente repugnante. Para algumas mulheres, por exemplo, o "sexo selvagem" em posições e locais variados é a pedida certa, já para outras, qualquer movimento mais brusco pode sugerir desrespeito. Alguns homens, curtem mulheres mais ousadas e que assumem o comando da situação, mas outros, encaram esta atitude de forma negativa. Também conheço esposas que sonham com um vocabulário repleto e preliminares caprichadas. Por outro lado, já ouvi relatos de algumas esposas que dispensam o falatório e excesso de "mela-mela". Por isso digo que é impossível estabelecer uma regra de sexo ideal.

Algumas pessoas passam a vida inteira em busca do parceiro "bom de cama", pulando de relacionamento em relacionamento. Um verdadeiro test-drive sexual! Se o cara geme de um jeito engraçado na hora de gozar, não serve. Se ele tem o pênis pequeno ou grande demais, não serve. Se a mulher é muito fria, não serve. Se na hora do sexo ele tem dificuldades de encontrar a vagina da mulher em meio aos pelos, não serve... Já ouvi tantos testemunhos trágicos e relatos engraçados de experiências sexuais (dentro e fora do casamento), que poderia passar horas compartilhando com vocês. Mas creio que esta atitude não edificaria em nada a sua vida, por isso optei em dividir algo mais valioso:

O(a) parceiro(a) bom/boa de cama mesmo, é aquele(a) que te ama e faz de tudo para te ver feliz e satisfeito(a). O sexo pode até começar ruim, mas com o aumento da cumplicidade, intimidade e desejo de satisfazer, vai aos poucos se aperfeiçoando: se o cara geme de um jeito engraçado, a esposa se dispõe a dizer em amor que aquilo a incomoda; se o pênis dele é pequeno ou grande demais, eles vão se descobrindo e testando as posições que mais incomodam ou geram prazer; se a mulher é muito fria, o esposo tenta descobrir se existe algum medo ou trauma de infância e, em amor, a ajuda a superar, inclusive buscando o auxílio de profissionais especializados; se a vagina da esposa parece mais uma aranha caranguejeira, o marido aos poucos pode ir comunicando o quanto aquilo é broxante, e quais os tipos de depilação o agradariam mais, e se a esposa é sábia e busca demonstrar amor na mesma medida, vai "passar a faca" na mata atlântica com o maior prazer, pois o seu desejo está em satisfazer seu esposo. A intimidade sexual, inclusive através da conversa, fará toda a diferença.

Mas considero de extrema importância que alguns detalhes a respeito da sexualidade sejam conversados ainda no período de namoro/noivado. Por que? Para que surpresas como estas sejam evitadas: Homens loucos por sexo anal que farão de um tudo para satisfazer este desejo com suas esposas; Meninas que foram abusadas na infância ou que durante muitos anos escutaram de suas mães que o sexo era algo sujo, e por conta disso se tornaram resistentes ou frias na cama; Meninos que desde sua infância ou adolescência sentem atração por pessoas do mesmo sexo, mas que decidiram investir no casamento com a esperança de se verem livres deste desejo (que em 99% das vezes não some); Meninas que já transaram com um ou mais homens, inclusive com caras que nem lembram mais o nome... Enfim, conversem a respeito.

É certo também que, além da conversa, num relacionamento amoroso deve existir atração e desejo. Não se case com um homem ou mulher que não te atrai fisicamente. De duas uma: ou o casamento acabará em divórcio ou viverão um vida sexual frustrada. Se gosta dele apenas como amigo, então não se case.

Enfim, não existe uma fórmula e nem a necessidade de um test-drive sexual. Uma conversa franca e transparente é capaz de resolver muitas questões. Também não tenha medo de se frustrar na cama após o casamento, pois o sexo ideal não vem pronto, ele é construído, e este é um processo que deve durar uma vida inteira. O tempo será o seu maior aliado! Depois de vinte anos de casados, sua intimidade e cumplicidade vai estar 365 x 20 vezes maior e melhor, e a probabilidade de estarem desfrutando de um sexo 365 x 20 vezes melhor, é muito grande. O marido que ama e respeita sua esposa, estará atento às suas necessidades e empenhado em supri-las (e vice-versa). Por isso, não se preocupe em encontrar um parceiro bom de cama, pois num casamento onde as duas partes entenderam o que é viver o amor decidido, o sexo ideal será construído em conjunto, e ao final da vida, terão o privilégio de olhar pra traz e visualizar, em meio aos erros e acertos, a linda história que escreveram juntos, inclusive na área sexual.

O mundo nos oferece centenas de fórmulas de como encontrar o parceiro ideal quando se trata de sexo. O google e revistas femininas que o digam! Mas o que está sendo oferecido é superficial demais, sem profundidade alguma. Pode até satisfazer sua carne, mas deixará sua alma vazia. Quer um conselho? Busque respostas naquilo que tem conteúdo e é capaz de trabalhar o seu caráter e te transformar num ser humano melhor.


Dani Marques é colaboradora do Genizah






 

sexualidade 8432092990075870913

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail