681818171876702
Loading...

Mercado erótico se adapta para conquistar público evangélico; conheça as novidades



As consultora Tarciana Valente e Estela Fuentes vendem produtos eroticos na casa das clientes (Fernando Pastorelli/Folhapress)


Mônica já foi revendedora de produtos da Avon e da Natura. Hoje, a adepta da igreja Renascer sai da casa em São Bernardo do Campo (SP) carregada com 6 kg de itens bem diferentes, que vão de calcinhas comestíveis de chocolate (alguns maridos degustam com uísque) ao kit "50 Tons de Prazer", com chicote, vela e venda.

Para as vendas, usa o codinome "Munik". Como Mônica, quer emplacar carreira musical (canta em igrejas e centros espíritas, de Ivete Sangalo a repertório gospel).


Num salão de beleza no Sumaré (zona oeste), é Munik quem mostra à manicure Frances do Nascimento, 45, a "camisolinha da Nicole Bahls, a moça da 'Fazenda'" (modelo semitransparente com estampa de oncinha).

Sua melhor freguesa aprova: "Não é porque a gente vai pra igreja todo dia que precisa ser santa".

"As irmãs a-do-ram os produtos", diz Frances sobre colegas do culto. Ela frequenta "todos os dias" a Igreja Mundial do Poder de Deus, do pastor Valdemiro Santiago, aquele que aparece na TV com chapéu de cauboi. Contribui com cerca de R$ 300 de dízimo por mês à igreja. Calcula dar até mais dinheiro para a revendedora.

"Ela gasta bem", confirma Mônica.

Recém-separada do segundo marido, com um filho de um ano, Frances a-do-ra o "Boca Loca" - minivibrador em formato de batom (R$ 33).

Ela faz parte de uma legião de consumidores que vem chamando atenção do mercado. O censo do IBGE aponta que, entre 2000 e 2010, a porcentagem de evangélicos na população subiu de 15% para 22% (de 26 para 42 milhões de pessoas).

MERCADO QUENTE


Bom exemplo do apetite gospel está nos livros: a média de leitura dos fiéis é de 7,1 obras por ano, estima a entidade Sepal (Servindo aos Pastores e Líderes), enquanto a nacional não passa de 4,7.

Vendido na Feira Literária Cristã, em junho, "Celebração do Sexo", do americano Douglas Rosenau, declara a que veio na dedicatória: "Obrigado, Senhor, pelo gozo íntimo e pela união calorosa do companheirismo sexual".

Descrito como um guia para o "presente de Deus no casamento: o prazer sexual", o livro traz ilustrações de posições sexuais e um capítulo inteiramente dedicado ao sexo feito "sem tirar a roupa".

O autor, que se identifica como terapeuta sexual cristão, não economiza adjetivos em sua tese. Para Rosenau, a "diversão erótica" entre companheiros vestidos é "um prelúdio amoroso sutil, penetrante, espontâneo, eletrizante e sensual".

Fiel da igreja Arca Sagrada, em Diadema (SP), a atendente de petshop Nilza Antunes, 29, é casada há seis anos, tem dois filhos, cabelo pintado de loiro platinado, aparelho dental com elásticos laranjas, piercing no nariz e uma curiosidade.

"Pode usar no corpo inteiro?", ela questiona Mônica/Munik sobre o desodorante íntimo com essência de morango (R$ 20,70).

Sanar a dúvida é importante: desde que passou a usar produtos eróticos, diz que sua média de relações sexuais saltou de duas vezes por semana para todos os dias.

Vontade de explorar a própria sexualidade, diz a revendedora, toda mulher tem, seja qual for sua religião. Mônica testa todos os produtos no marido. Ele, 12 anos mais moço, ganha café da manhã (cappuccino e cuscuz com manteiga) na cama e "festinha à noite" todo dia. "Numa noite, eu já cheguei pulando em cima. E ele: 'Amor, tô com dor de cabeça'."

Mas nem todas são desinibidas como Mônica, Nilza e Frances.

Discrição, nesse meio, costuma ser a alma do negócio. "Católicos têm mais preconceito. Os religiosos que mais aparecem são mesmo os crentes", conta Thaís Plaza, 33, sócia da loja erótica Doce Sensualidade, na Vila Mariana (zona sul).

Um em cada quatro clientes seus é evangélico -- e não por acaso.

Em vez de se definir como sexshop, o espaço usa termos como "romantismo" e "sentimentos" em sua divulgação. Objetos fálicos ficam escondidos em gavetas para "não assustar" a freguesia.

As paredes são brancas ou rosas, com imagens florais. Nas prateleiras, substituindo algemas ou couro, acha-se esmaltes, bichos de pelúcia, cremes e velas coloridas.

"As evangélicas não entram em lugares com fotos de pessoas nuas e próteses penduradas. Querem ser atendidas por 'amigas'", diz Thaís.

Frequentadora da Congregação Cristã no Brasil, uma das clientes mais assíduas da loja repete sempre o mesmo ritual. "Ela se esconde atrás daquela árvore e me liga. Quando abro a porta, a mulher entra correndo, suspira e pede para fechar."

Funciona: toda semana, a visitante secreta bate ponto no arbusto.


 (Fernando Pastorelli/Folhapress)

ELES vs. ELAS


Em um ponto, consultoras e clientela são unânimes: o mercado erótico gospel é restrito às mulheres.

"Eles são mais conservadores. Preciso fazer um trabalho cuidadoso com a cliente para o marido não ficar enciumado ou desconfiar da fidelidade dela", conta a representante Tarciana Valente, 29.

Os campeões de vendas são produtos mais "leves", ela continua. Entre eles, gel lubrificante ("importante porque muitas são reprimidas sexualmente e não têm lubrificação") e óleos perfumados ("elas gostam porque melhora o sexo oral").

Já as vendas de vibradores são mais raras. Diferente do público convencional, os religiosos preferem modelos não realistas, em formato de borboleta, polvo ou ursinhos.

"Próteses parecidas com membros reais chocam. Eles logo associam com promiscuidade", diz Estela Fuentes, 26, estudante de psicologia que comercializa R$ 300 em produtos eróticos por semana.

"Meu maior desafio é mostrar que prazer não é pecado. Todo mundo precisa ter orgasmos na vida", afirma.

SEM CENSURA


Os vídeos do pastor Cláudio Duarte, 45, da Igreja Batista, falando sobre sexo fazem sucesso na internet. É dele o livro "Sexualidade Sem Censura", publicado pela Central Gospel, editora do amigo Silas Malafaia. Para Cláudio, "a rotina é um assassino do relacionamento sexual, um 'brochante' terrível".

Contra isso, ele aconselha seus seguidores: para cativar seu público fiel (o cônjuge), trate de armar "um bom espetáculo". "Vai inovando, como o Cirque du Soleil".

Esse circo, contudo, pega fogo nas congregações evangélicas. Cláudio, certa vez, falou de sexo durante um culto na igreja. No fim da pregação, surgiu o questionamento.

"Uma senhora disse que eu não deveria tratar daqueles assuntos porque lá é local santo. Perguntei se tinha falado alguma mentira. Ela disse que falei verdades que não deveriam ser ditas."

Mônica, a consultora da bolsa bordada, trabalha escondida do pastor de sua igreja (a Renascer). Ela também evita entrar em detalhes sobre o assunto com sua mãe, uma senhora de 76 anos.

"Ela acha que vibrador dá câncer no útero", explica.

E o que diria se o líder da sua igreja descobrisse? "Pastor, desculpa, preciso ganhar meu dinheiro."











 

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail