681818171876702
Loading...

FUI TRAÍDO! E AGORA?

Dani Marques


Quando acontece a traição, a vítima normalmente tende a descarregar toda a raiva, frustração e culpa na pessoa que traiu. Mas é necessário colocar os pés no chão e analisar toda a situação, a ponto de conseguir identificar os seus próprios erros. Vejamos:


1 - Seu relacionamento já não estava indo bem e no meio do caminho surgiu uma pessoa disposta e desejosa de suprir as necessidades emocionais e sexuais do seu cônjuge;
2 - Vingança - ele(a) traiu porque foi traído(a);
3 - Casou muito cedo ou por obrigação (normalmente por causa de uma gravidez inesperada);
4 - O seu cônjuge tem um "fraco" por traição, e no auge da paixão, você não analisou bem o seu caráter e comportamento. Ele provavelmente deu alguns sinais dessa "fraqueza" durante o namoro, mas por conta da paixão, você optou por não enxergar: "Ahhh, depois que casar ele(a) muda!" Doce ilusão... Não podemos esquecer que a decisão de casar também foi sua!


Pois bem, você foi traído. E agora, o que fazer?


Se foi a primeira vez que isso aconteceu, se não há nenhuma ligação emocional com a pessoa em questão e se seu cônjuge está arrependido e disposto a restaurar o relacionamento, não exito em dizer: PERDOE! Ninguém está isento de trair, nem mesmo você! A traição, diante de Deus, é um pecado como outro qualquer. É claro que para o ser humano costuma ser muito mais dolorido e difícil, mas para Deus tem o mesmo peso que qualquer outro pecado, e deve ser encarado como tal. É necessário reconhecer o erro, pedir perdão sincero à Deus e ao cônjuge e buscar a transformação. Lembrando que: "qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração" Mt 5:28. Vixeeee, o buraco é muito mais embaixo hein? Se o seu cônjuge te traiu, mas você vive desejando outras pessoas em pensamento, tá reclamando do que amigo(a)? Precisamos vigiar!

Continuando, existe também a possibilidade do "réu" ainda estar apaixonado pelo(a) amante, mas por causa da sua maturidade, ou talvez pelos filhos, ainda esteja disposto a lutar pelo casamento. Neste caso, PERDOE TAMBÉM! Vai ser muito mais difícil e dolorido, mas se há disposição de ambos os lados, é completamente possível restaurar o relacionamento! O primeiro passo é fazer com que o "traidor" corte qualquer tipo de relação com o(a) "outro(a)". Ele terá que reconquistar a sua confiança, e para isso, deverá responder a todos os tipos de questionamentos, quantas vezes forem necessárias. Isso faz parte da cura.

Além disso, nada deve ser encoberto. Celulares, e-mails e senhas deverão ficar à sua disposição. Essa atitude mostra que ele(a) não tem mais nada a esconder e que está disposto(a) a fazer o que for preciso para recuperar a sua confiança. Caso não haja esta disposição, é porque ainda há o que esconder. E se você aceitar viver dessa maneira, prepare-se, pois o fantasma da traição vai te assombrar ainda por muito tempo! A parte traída tem todo o direito de desconfiar e fuçar a vida do "traidor", o tempo que for necessário. É uma consequência do erro, e se há o desejo de restauração, é assim que deve ser, até que a confiança seja recuperada.


Outra situação, é quando o adúltero está tão envolvido e apaixonado pelo(a) amante que não deseja de forma alguma permanecer no casamento. Neste caso, eu acho que você deve... PERDOAR TAMBÉM! Vamos esclarecer: Perdão é uma decisão, aliás, uma ordem que Jesus nos deixou: "Senhor, até quantas vezes deverei perdoar meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes? E Jesus respondeu: Eu lhe digo, não até sete, mas até setenta vezes sete." Mt 18:21 e 22 e "Pois, se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas". Mateus 6:14-15


Quando você perdoa alguém, não significa que vai esquecer tudo o que aconteceu e sair por aí pulando de alegria. É óbvio que não. Perdão é uma decisão diária. Ele(a) te fez mal? Sim, mas decida retribuir este mal com amor. Não falo do amor fantasioso, mas sim do amor decidido. Faça o bem sempre que for possível e necessário, não deseje o mal, não ataque com palavras ou atitudes e ore constantemente para que Deus transforme a situação e te faça ter bons sentimentos pela pessoa. Não é fácil fazer isso, claro que não! É um esforço diário e que muitas vezes chega a ser sobrenatura!

Perdoar também não significa conviver. Se um cara matar sua filha e você decidir perdoá-lo, não quer dizer que terá que conviver para provar que o perdoou, certo? Então, neste caso, você não tem obrigação nenhuma de insistir no relacionamento. A sua única obrigação é a de amar:

"Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus... Se vocês amarem aqueles que os amam, que recompensa receberão? E se vocês saudarem apenas as pessoas que gostam, o que estarão fazendo de mais? Até os descrentes fazem isso! Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês" Mateus 5:44 e 46 à 48


Que seja assim com seu cônjuge (ou ex-cônjuge). Sei que a dor de uma traição ou de um divórcio é imensa, praticamente insuportável para quem foi traído! Nunca senti na pele, mas estou acompanhando uma amiga queridíssima que está passando por esta situação. Segundo ela, chega a se comparar a dor da morte. Pra você que está vivendo esta realidade, recomendo o livro "Antes de Dizer Adeus, de Jaime Kemp". Ele é ótimo para auxiliar casais que estão a beira do divórcio ou passando por ele.

Bom, se o seu caso é este último, busque durante um bom tempo orientação a Deus. Peça a Ele que te mostre se deve ou não lutar por este relacionamento. Pode ser que com o tempo o cônjuge se arrependa, neste caso, ainda há esperança para restauração, caso contrário, livre-se da tortura! Não seja masoquista: "Todavia, se o descrente separar-se, que se separe. Em tais casos, o irmão ou a irmã não fica debaixo de servidão. Deus nos chamou para vivermos em paz". 1 Coríntios 7:15. Conheço pessoas que sofrem com a constante traição do marido/esposa e mesmo assim insistem no relacionamento.

Se o seu cônjuge te traiu e ainda te trai, se não demonstra arrependimento, mudança e disposição de restaurar o relacionamento, não há porque continuar neste inferno, a não ser que você tenha uma direção clara de Deus para isso. Enxergo essa situação como o relacionamento entre uma mãe e seu filho desobediente. Qualquer pessoa sabe que uma criança só aprende a lição quando é disciplinada, algumas vezes pela pelos pais e outras pela própria realidade. Imagine uma mãe que não faz nada para educar e disciplinar seu filho, apenas distribui carinhos, presentes e ora?

Uma pessoa que insiste em trair seu cônjuge e não busca transformação, precisa ser disciplinada pela vida e receber um belo choque de realidade! Talvez esta seja a sua única chance de transformação! Se você tem acolhido o seu cônjuge traidor, lavado sua roupinha, feito a sua comidinha, arrumado a sua casinha e dado aquela transadinha, desculpe dizer, mas você está sendo complacente com o pecado! É como a mãe que abre diariamente a carteira para seu filho dependente de drogas. Espera-se o que de uma situação como esta?

Enfim, busque forças, sabedoria e direção em Deus! Ore, jejue e leia a Bíblia diariamente, em especial os Evangelhos. Transmita o caráter de Cristo em suas palavras e ações. Entregue-se nas mãos do Senhor e aprenda a viver no sobrenatural. "Porque a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem". 1 Cor 1:25. Sabe quando um filho amedrontado agarra as mãos do pai com todas as suas forças? Então, faça isso com o seu Paizão! Ele está de braços abertos te esperando...


Dani é casada há 8 anos e têm dois filhos e é colaboradora do Genizah. Conheça o seu blog pessoal: Salve o meu casamento!








 

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail