681818171876702
Loading...

CAUSA GAY: UMA VIA DE MÃO ÚNICA



Há coisas difíceis de digerir. Para mim, uma delas, por exemplo, é nata no leite; porém, há quem goste, e eu não tenho nada contra isso, contanto que não me obriguem a um castigo como esse.

Numa república democrática, devemos conviver respeitosamente com o contraditório, sem que a vontade individual seja invadida pela de outrem que nos force a aderir integralmente ao que ele considera bom para si.

De uns anos para cá, a bandeira da liberdade de expressão sexual tem ocupado extraordinário espaço e apoio na mídia. Tem-se tentado, a todo custo, fazer a sociedade aceitá-la como algo normal. Mas a sociedade, de tradições engessadas – tanto por conceitos religiosos quanto pelo que se entende por normalidade da vida natural –, não consegue compreender plenamente as reivindicações dos ativistas gays. Estes, em face disso, reagem com atos que variam de acusações de anacronismo a palavras de ofensa.

Os ativistas gays pretendem aprovar o Projeto de Lei que criminaliza todo e qualquer tipo de preconceito contra a prática sexual entre pessoas do mesmo sexo. O projeto inclui também a união matrimonial entre pessoas do mesmo sexo.

A causa gay tem feito grandes avanços no seu labor. A cada dia aumenta o número de pessoas que se mostram mais tolerantes, e até simpáticas a ela. Em alguns Estados da Federação, já é possível a união estável entre pessoas do mesmo sexo. A legalização federal certamente não demorará a acontecer. Isso não é novidade para mais ninguém. A principal alegação para o casamento entre homossexuais é, segundo eles, a de garantir-lhes direitos adquiridos, assim como ocorre com um casal heterossexual.

No entanto, o que para uns é algo normal para outros soa como ofensa à sociedade, desrespeito à família, banalização dos bons costumes e transgressão às leis de Deus. Desse modo, a sociedade está dividida. Muitos há que, por medo de sofrerem algum tipo de retaliação, afirmam ser favoráveis às mudanças, mas não são capazes de sustentar seu discurso. Perguntados sobre como agiriam se tivessem um filho ou filha gay, mostram desconforto com a ideia.

As reivindicações dos gays não levam em conta as consequências que isso trará à sociedade, com todas as exigências que fazem. Os direitos que buscam excedem em muito os direitos comuns. Por que tachar de homofóbico quem simplesmente pensa diferente deles? Então, toda a sociedade – sem exceção alguma – é doente, e precisaria ser internada. Toda vez que alguém discorda do ponto de vista de outro significa que tem “medo” daquele ponto de vista, ou mesmo, daquela pessoa? O são-paulino tem medo do corintiano; o católico, do evangélico; este, do espírita, e assim por diante?

Será que já não temos leis suficientes para garantir direitos que estabeleçam o respeito mútuo entre os indivíduos? Quem ofenderia a um gay por ser gay, e não seria punido? Do mesmo modo o negro, o judeu, o deficiente físico etc.?

Mas eles querem uma lei exclusiva, que os torne uma classe superior às outras. Provavelmente se sentem superiores aos demais, contrariando, assim, a Constituição, que diz que todos somos iguais perante a Lei. Ao mesmo tempo, esquecem que, se a sociedade toda se tornasse atraída por pessoas do mesmo sexo, em poucos anos a espécie humana deixaria de se reproduzir, e se extinguiria!

Eu estava tomando café com a minha mulher na praça de alimentação de um Shopping Center na cidade de São Paulo. Dois rapazes, ambos negros, sentaram-se à nossa frente e, em acintoso gesto de provocação pública, começaram a se beijar e a se acariciar nas partes íntimas. Pessoas que estavam próximas começaram a se afastar, procurando outras mesas, principalmente as que estavam acompanhadas de crianças, devido ao desconforto que a cena causava a todos. Olhei para um segurança do shopping esperando que ele fizesse algo, mas ele reagiu discretamente, acenando com as mãos e com os ombros, dando-me a entender que não podia fazer nada. Se fosse um casal heterossexual, aquilo seria um “atentado ao pudor”, mas eram dois homens! Qualquer atitude que tivéssemos, por mais educada que fosse, certamente se voltaria contra nós, com dupla acusação: discriminação sexual e racial, e, certamente, o ganho de causa seria dos gays!

Senti-me impotente, totalmente desprotegido pelo Estado no direito de exercer minha cidadania! Se agora já é assim, como será depois quando, por um simples gesto ou suspeita, formos todos criminalizados por gente que quer o respeito, mas que não se dá a ele? É justo que essa via tenha somente mão de ida, e não tenha a de volta?

Continuo tendo náuseas ao ver uma nata flutuando numa xícara de café com leite. Posso ser respeitado pelo meu gosto? Ou será que um dia me obrigarão a engolir isso?





Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
Pastor da Assembleia de Deus Bereana. Apresenta o programa TV Bereana em Redes de televisão.


Pr. Brunelli está fazendo bonito no IBOPE com um programa de interesse cristão, sem polêmicas e conteúdo evangélico edificante e de qualidade. O TV Bereana na Rede TV está se consolidado em terceiro lugar no horário,  com pico de 1,2 e média de 0,95, o que é quase o dobro da audiência do Vitória em Cristo de Silas Malafaia na Band.









 

sexualidade 6961200662923648994

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail