681818171876702
Loading...

Conheça a bíblia segundo amigo de Lúcifer






“No passar das claridades e escuridões (ninguém ainda inventara as horas) Adão se entediava. Depois de contar interminavelmente as folhas das palmeiras, começou a contar grãos de areia.” A passagem é de A Bíblia Segundo Beliel, novo livro de ficção do professor e pesquisador do programa de pós-graduação em Literatura Brasileira da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/ USP), e colunista da RBA, Flávio Aguiar, que será lançado este mês, contando “da criação ao fim do mundo, como tudo de fato aconteceu”.

Ancorado nas tradições bíblicas, com o quê o autor trabalhou a maior parte da vida, o livro dá voz a personagens menos famosos do mais famoso livro do mundo, como a pomba solta por Noé para procurar terra firme, o escravo de Jó e o próprio Beliel, antigo anjo da virtude que, juntamente com Lúcifer, foi banido do reino dos céus.

O livro registra as teorias e previsões sobre o fim do mundo, como descrito no Apocalipse de São João Evangelista. No entanto, o autor não trabalha somente com previsões de origem religiosa, mas também aquelas de natureza científica ou histórica, como o aquecimento global.

A Bíblia segundo Beliel combina a leveza da chanchada com reflexões profundas e ousadas sobre temas como a religião, o fanatismo, a crença e a descrença, a opressão e a liberdade, a desigualdade e a justiça. E o amor como objetivo e possibilidade de redenção da humanidade. Da mesma forma em que fala do passado, a narrativa de A Bíblia segundo Beliel mira o futuro, nos levando a uma versão absolutamente fantástica do fim dos tempos e do destino da Criação.

Ao comentar a obra, o escritor foi enfático: “Passei muitos anos estudando as Bíblias como fontes literárias e das demais artes. Mais da metade das literaturas e das artes que estudamos são incompreensíveis sem um conhecimento mínimo das diversas Bíblias.

Acho que isso se materializou numa reescritura do que eu lera e me inspirara, na minha vida de professor e crítico literário. Como se todo esse mundo acumulado pegasse um desvio da linha e saísse em busca de um caminho próprio. Por isso não consigo dizer, por exemplo, que o livro é meu. Ele é mesmo do Beliel, esse anjo torto que se materializou em mim. Eu fui apenas seu porta-voz”.

Ilustração da queda de Lúcifer
Confira abaixo o texto de orelha do livro, escrito por José Roberto Torero:

Em verdade, em verdade vos digo: todo escritor quer ser Deus.


E não é exagero. Pode comparar, fiel leitor: primeiro eles criam um ambiente, depois sopram vida aos personagens e por fim causam conflito entre eles. Iguaizinhos ao Todo Poderoso. Sem falar que há alguns que até se dizem imortais.


Sim, todo escritor quer ser um pequeno deus. Mas esse tal de Flávio Aguiar foi mais longe. Além de criar paisagens, personagens e conflitos, ele decidiu reescrever o próprio livro do Senhor.

Porém, se a Bíblia original foi escrita sob inspiração divina, esta foi feita sob transpiração humana. Vê-se que o autor domina profundamente o assunto, que estudou até os pontos e vírgulas das santas escrituras. Só conhecendo bem um livro se pode recontá-lo, invertê-lo, mostrar o seu avesso. E uma das graças desta Rebíblia (e ela é cheia de graças) é justamente contar as coisas a partir de um ângulo diferente, novo, inesperado.

Finalmente o leitor poderá ver personagens secundários contando a sua versão dos fatos. Por exemplo, verá a história do ponto de vista de Caim, o filho (ou neto) desprezado, a versão da pomba de Noé (e assim talvez pela primeira vez possamos saber como era o cheiro no porão da arca), os bastidores do incêndio de Sodoma e Gomorra e como foi a fuga do Egito capitaneada por Moisés (curiosamente o patriarca gosta de citar Camões, e eles realmente têm algo em comum, pois ambos atravessaram mares). 


Aliás, nesta Bíblia do B há uma turma inesperada atravessando o deserto, formada pelo jovem Marx, Rosa Luxemburgo, Maiakovski, Luiz Carlos Prestes e outros canhotos ilustres. Um bando que, em vez de hinos religiosos, avança sobre as dunas cantando: “Avanti popolo, alla riscossa, bandiera rossa, bandiera rossa!”.


Falando em classes oprimidas, temos aqui o testemunho de um dos escravos de Jó (que jogavam caxangá), as memórias de um dos pobres mercadores que tiveram suas barracas derrubadas por Jesus e, ainda, os inesperados depoimentos de um diabo e de um anjo secundários, talvez (que Deus me perdoe) os dois personagens mais interessantes de todo o livro.


E por fim (ele não poderia estar em outro lugar) há um surpreendente Apocalipse, do qual não falarei nada para não estragar a surpresa, mas que tem a ver com mulheres, muitas mulheres.



Com informações Correio do Brasil/ Rede Brasil Atual/ Boitempoeditorial





* O Genizah, evidentemente, não endossa a publicação, apenas atua informando e alertando os seus leitores.











 

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail