681818171876702
Loading...

Malafaia e Kit-Gay só atrapalharam, afirma coordenador da campanha de Serra


Ao apontar os possíveis erros da candidatura de José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo, o deputado Edson Aparecido, coordenador da campanha tucana, citou a polêmica em torno do kit anti-homofobia na primeira semana do segundo turno como um dos principais problemas enfrentados. 

“Patinamos uma semana discutindo um assunto que não era da nossa campanha, que foi o chamado kit-gay, que virou personagem da campanha. Isso não era uma estratégia nossa. Uma coisa que veio de fora e ocupou o debate da cidade”, disse.

Na primeira semana após o primeiro turno, o pastor evangélico Silas Malafaia, que apoiava Serra, deu início às polêmicas envolvendo o kit anti-homofobia.

O pastor atacou o que ficou conhecido como "kit-gay" do MEC, idealizado quando Haddad estava à frente da pasta, em 2011. O material não chegou a ser distribuído porque foi barrado pela presidente Dilma Rousseff após pressão das bancadas católica e evangélica do Congresso Nacional.

O debate se voltou para Serra quando a imprensa divulgou que o tucano distribuiu aos professores material de conteúdo semelhante quando era governador, em 2009 --ele negou a semelhança e fez críticas ao material do MEC.

Haddad, então, declarou que a discussão fomentava a "intolerância", mas os dois candidatos evitaram se posicionar claramente sobre o tema durante a troca de ataques.

Segundo Aparecido, o tempo perdido com o kit-gay poderia ter sido usado para discutir a ampliação do Bilhete Único de três para seis horas, proposta por Serra na última semana.

“Deixamos de discutir esses dois assuntos que, na reta final, fizeram inclusive a gente recuperar [votos]. A população entendeu a proposta do Serra sobre o Bilhete Único e o perigo de o PT acabar com as organizações sociais. Então a gente voltou a crescer, e ele [Haddad] começou a cair. Só que não deu tempo de fazer a curva novamente”, disse Aparecido.

Fiéis declaram-se avessos ao uso da religião na disputa eleitoral

Apesar de questões de cunho religioso terem criado polêmica entre os candidatos na corrida pela prefeitura de São Paulo, "eleitores-fiéis" mostraram-se resistentes à influência do tema na disputa pela administração municipal deste domingo.

A questão religiosa esteve no centro do debate pelo comando da maior cidade do país desde o primeiro turno, com a discussão em torno da influência da Igreja Universal do Reino de Deus na candidatura de Celso Russomanno, cujo partido, o PRB, é ligado à essa igreja.

No segundo turno, sem a presença de Russomanno, boa parte da disputa entre o petista Fernando Haddad --apontado pela pesquisa como provável vencedor--, e o tucano José Serra, girou em torno do kit anti-homofobia criado na gestão de Haddad à frente do Ministério da Educação. Alvo de críticas de setores religiosos, o material foi apelidado de "kit-gay".

"Os políticos estão achando que se aconchegando aqui na igreja eles vão conseguir puxar o povo ali para o lado deles", disse a administradora Gislaine Aparecida da Silva, 32 anos, ao deixar uma missa celebrada pelo bispo católico dom Fernando Figueiredo, na zona sul da capital.

"Mas no final, a gente vota em quem quer", acrescentou.

Tanto Haddad quanto Serra compareceram a missas celebradas por dom Fernando e pelo padre Marcelo Rossi durante a campanha.

Na disputa pelo segundo turno, o pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, afirmou que líderes evangélicos não dariam "refresco" a Haddad, e criticou assiduamente o kit anti-homofobia, que acabou não sendo distribuídos em escolas como o previsto por decisão da presidente Dilma Rousseff. 

Como reação às críticas de Malafaia, o petista convocou reunião com lideranças de 20 cultos evangélicos, que publicaram manifesto defendendo Haddad. 

Na campanha eleitoral no primeiro turno, um texto publicado em maio de 2011 pelo presidente do PRB, Marcos Pereira, que coordenou a campanha de Russomanno, associando o kit anti-homofobia à influência da Igreja Católica foi amplamente divulgado em redes sociais no primeiro turno.

Em setembro, a Arquidiocese de São Paulo emitiu uma nota de repúdio contra a publicação, afirmando que o PRB é "manifestadamente ligado à Igreja Universal".

Religião é uma coisa, política é outra

Fiéis católicos e evangélicos consideram que a polêmica não é determinante na hora de votar.

"Já vi alguns padres pegando pelo lado da consciência do voto, não indicando um nome ou outro", disse o gerente de vendas Franklin Albuquerque, 40 anos, católico. Ele acrescentou que não ouviu menção ao kit anti-homofobia em sermões.

"Religião é uma coisa, política é outra coisa", acrescentou Albuquerque.

Um eleitor católico, que frequenta a missa com dom Fernando toda a semana, disse que não concorda com o kit anti-homofobia. "Mas isso não me impede de votar no Haddad", afirmou ele, que não quis se identificar


Com informações Uol/Reuters






Malafaia é o "abraço de afogado" da política nacional e conseguiu a proeza de ser mais 'mala' do que o Maluf. Malafaia, mano, conto com seu apoio para a campanha do Kassab em 2014! KKK 











 

politicagem na igreja 1348814671689690088

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail