681818171876702
Loading...

Queimei a língua! (Graças a Deus!): Pedido público de perdão ao Genizah




Ex-membro da Bola de Neve pede perdão ao Genizah em função das agressões cometidas por membros da denominação em razão da publicação de matéria investigativa do site apontando graves denuncias envolvendo a cúpula da denominação religiosa.



Arthur Schopenhauer, filósofo alemão, disse: "Toda verdade passa por três estágios. Primeiro é ridicularizada. Em seguida, é violentamente oposta. Por fim, é aceita como sendo auto evidente." A carta a seguir, como tantas outras mensagens recebidas por este site, é um exemplo deste princípio, ainda mais evidentemente percebido, nos casos em que o homem é levado a confrontar algo tão primordial em sua vida como são as suas crenças de natureza religiosa.

Elisabeth Kübler-Ross descreveu os cinco estágios popularmente conhecidos como Os Cinco Estágios do Luto (ou da Dor da Morte, ou da Perspectiva da Morte): Negação e Isolamento: "Isso não pode estar acontecendo."; Cólera (Raiva): "Por que eu? Não é justo."; Negociação: "Me deixe viver apenas até meus filhos crescerem."; Depressão: "Estou tão triste.”; Por que me preocupar com qualquer coisa?"; e Aceitação: "Tudo vai acabar bem.". O principio é aplicável a toda forma de rompimento grave: Divórcios, perda de emprego, luto por um ente querido, etc. Kübler-Ross sustenta que que estes estágios nem sempre ocorrem nesta ordem, nem são todos experimentados por todas as pessoas, mas afirmou que uma pessoa sempre apresentará pelo menos dois.

Acompanhando de perto o fenômeno dos desigrejados (os decepcionados com a igreja, os feridos pelo “corpo”) estas questões são tão presentes que acendem a luz para que se reconheça urgência de enfrentar o desafio das apinhadas enfermarias da igreja. A carta publicada é um exemplo de final feliz, mas também um relato de dor. Thiago Marcone, emergiu do seu luto e encontrou o caminho da sua espiritualidade. Muitos outros não.

Sobre os testemunhos e a nossa luta

Quase todas as semanas, recebemos nos comentários aos posts, ou na nossa caixa postal, mensagens como esta. O Genizah adota a política de não publicar estes testemunhos. Quando deixados nos comentários de posts, não apagamos. Já as mensagens enviadas por e-mail, não temos por hábito publicar. Em alguns casos, compartilhamos entre nós, os editores e colaboradores do site e desfrutamos deste estimulo, diante de tanta pedra que levamos, mas é só.

Há muitas razões para isto. A decisão de oferecer combate e denúncia às heresias, em especial da forma como discernirmos fazer é uma opção que, sabemos bem, nos coloca em rota de colisão com muitas pessoas e instituições e traz consequências de toda ordem. Seremos sempre, nós mesmos, colocados sob o julgamento constante e sabemos que os eventuais apoios recebidos tem hora e data de vencimento: o momento em que as consequências do apoio se apresentam de alguma forma na vida do apoiador. Em outras palavras, “na hora do vamos ver” a maioria corre. 

Também sabemos que a crítica sempre divide e, algum dia, quem nos admira há de se opor violentamente a uma opinião do site. O evangélico, em especial, é pouco preparado para lidar com opiniões diferentes e prefere o "PF (prato feito) intelectual" ao repasto instigante da pluralidade.

Conhecemos as dificuldades. Abraçamos a lida. Não estamos buscando glórias e nem seguidores. Antes do Genizah surgir, outros sites e blogs já se envolviam na mesma luta, segundo outras orientações, foco e estilo. Reconhecemos nestes irmãos companheiros da mesma jornada e oramos por eles. Desde os que oferecem refutação bíblica aos ventos de doutrina em seus blogs aos que participam de manifestações públicas.

Não estamos sozinhos. Estamos em comunhão. Somos muito bem aconselhados e acompanhados nesta tarefa. Contamos com o consolo do Senhor e o Seu sustento. Há muita gente orando por este site e somos muito gratos.

Temos a plena consciência que erramos e quando acontece procuramos a reparação e entendemos que muitas vezes somos incompreendidos. No começo foi muito mais difícil, hoje o fardo anda mais leve, somos mais entendidos. É melhor assim, mas que fique claro: não buscamos a compreensão. Buscamos o alvo e seguimos firmes nesta direção, sem o rabo preso.

O mano Alan Brizotti resumiu a questão de forma definitiva: "Algumas pessoas insistem em questionar nosso criticismo (ao invés de questionar seu alvo), então respondo: criticamos não porque vivemos encarcerados numa espiritualidade azeda (ainda que alguns de nós assim estejam), mas porque somos parte do corpo (I Co. 12. 12-27), e o que dói no corpo afeta nossa alma. Criticamos porque não conseguimos olhar para o ambiente eclesiástico com uma irresponsabilidade tatuada de piedade e tolerância, mas sim com a inquietação aprendida do olhar de Jesus: "Vendo ele as multidões"; em Jesus, o olhar constrói. [...] Tenho percebido que nossas críticas produzem algumas feridas. Contudo, se Jesus Cristo é o "médico dos médicos", então, o melhor que temos a oferecer são justamente nossas feridas, principalmente quando são geradas pela adocicada fúria do amor: "Fiéis são as feridas feitas pelo que ama, mas os beijos do que odeia são enganosos" (Pv. 27. 6). Nossas feridas não matam, aliás, nem mesmo são feridas, são apenas paradoxos benditos: machucam para sarar.

Este é um caso especial

Abrimos uma exceção e publicamos esta carta. Há boas razões para isto. Esta denúncia teve grande repercussão, até mesmo na imprensa secular. Foi preciso coragem para publicá-la e isto não foi feito sem consequências sérias para as nossas vidas.

Oramos muito antes da publicação e buscamos, com temor, verificar os fatos que foram narrados por pessoas de dentro daquela comunidade e que também pesaram com muita gravidade, diante Deus, a necessidade de denunciar e expor acontecimentos sérios ocorridos em sua própria igreja.

Temos amigos e conhecidos que estavam (alguns ainda estão) envolvidos com aquele ministério. Nos pesou demais acompanhar a trajetória de muitos decepcionados que deixaram a comunhão para depois nos alegrarmos muito (embora a conta-gotas) enquanto a esmagadora maioria encontrava uma comunidade sadia para congregar.

Apanhamos feio. Mas não faltou consolo. O tempo passou e as feridas sararam.

As matérias mencionadas na carta são:




Pedofilia, heresia e fraude: Bola de Neve ladeira abaixo.



Se você não as leu, leia e entenda melhor a carta original do Thiago Marcone publicada também em seu blog:





Pedido público de perdão a Danilo Fernandes ( Genizah ).

Há alguns anos atrás eu era membro da igreja bola de neve em São Paulo (sede), onde me converti e comecei a andar com Deus em Amor, Consciência e Sinceridade. Antes de me converter, sempre fui um "maloqueiro modelo" hoje com 28 anos, andado de skate desde 1998, por este motivo sempre fui ligado as culturas da rua, ou seja, Hip-Hop e Punk e por isso sempre tive atrelado ao meu caráter certas leis que vigoram nos ambientes nos quais eu frequentei, que são o respeito ao próximo, lisura no falar, sinceridade com seus irmãos etc... São algumas características de alguém que nunca teve coragem de afirmar nada sem antes checar a procedência, característica que eu estava perdendo aos poucos sem perceber levado por todas as doutrinas nas quais eu estava mergulhado literalmente.

Há mais ou menos 1 ano e meio antes de eu me desligar da bola de neve houve uma grande polêmica envolvendo um pastor carioca do bola e o site Genizah do meu mano Danilo caiu de pau em cima do bola de neve, expondo toda a sujeira que havia por trás dessa história. O que eu não tive como enxergar na época é que as críticas
ao bola de neve foram feitas não pelo fato do pastor ter adulterado, pois ninguém está interessado em cuidar da vida dele, todos nós somos passiveis de erros e ele também, o caráter e a consiência são dele e ele tem todo direito de se arrepender sinceramente e ainda sim continuar seu pastorado e sua vida normalmente, mas o que a bitolação me impediu de enxergar na época, e que o Genizah caguetou as hipocrisias, as mentiras para encobrir os fatos e muita "podridão ungida" algumas ocultas, outras expostas aos olhos de todos, inclusive da tentativa ridícula do bola de neve de raquear e tirar do ar o site Genizah, tudo ordenado pelo seu apóstolo Surfista Prateado ( Rina ), ordem esta que foi dada a um grupinho de ovelhinhas ungidinhas que eu pessoalmente conheço uma por uma e tenho testemunhas que estavam presentes nesta reunião idiotada para realização desta tentativa, tentativa esta que Graças a Deus foi mais frustrada que uma luta contra o próprio Espírito Santo.

O fato é que faz parte da cartilha de doutrinas de lá (bola), não questionar, não debater, jamais criticar, jamais duvidar, JAMAIS PENSAR! Eu cria em meus pastores e em minha igreja com todo coração, acreditava que "Deus os havia colocado lá", e duvidar de qualquer doutrina, pensamento, visão (2º nome para heresia) ou imposições de lá, seria a mesma coisa que duvidar do próprio Deus! Afinal é isso que é ensinado, eles são deuses na terra, o véu foi costurado por eles e se eu quiser um acesso rápido e momentâneo ao verdadeiro Deus, temos que fazer tudo que os deuses mandam! Quem é de lá que me desminta!

Quando saiu a polêmica do Gilson (pastor carioca) eu e muitos de lá, ao ver o site Genizah classificamos o Danilo Fernandes de diabo nos dias que estávamos "mais carinhosos", o julgamos e o condenamos com ódio pois para nós (toda "galerinha" do bola) não interessava se as acusações e informações divulgadas sobre o bola tinham ou não procedência, para nós o que importava era ver que tinha alguém falando mal da santíssima igreja...

A doutrina de lá, assim como na maioria das igrejas evangélicas de hoje sustenta que não interessa se a informação, admoestação, exortação ou acusação contra sua denominação é ou não verdadeira, quando alguém criticar as novas doutrinas (anunciadas pelos anjos de plantão), que seja anátema o Danilo que acusou, que seja anátema o Caio Fábio, que seja anátema todo e qualquer crente de Bereia! Tomado por essa ignorância fiz juízo irracional sobre um homem de Deus que faz um trabalho sério, que pode ser chamado de tudo, menos de bunda mole.

Hoje peço perdão a você meu mano Danilo Fernandes por tudo, e digo que você é uma inspiração em Cristo para mim e muitos amigos que estão no mesmo caminho de Graça deixando e se despojando de tudo que preciso for para seguir a Jesus com simplicidade, coragem e sinceridade, independentes de tudo, menos de Deus! Pois no fim de todas as matérias do seu site, embora antes eu as lesse apenas para criticar, no fim delas sempre encontrei a seguinte provocação: "No mais, faça como os crentes de Bereia, vá ler a Bíblia" mano, deu certo! Eu fui e conheci a verdade, o Verbo que me libertou depois de muita Bíblia, lendo e re-lendo até aprender a realidade do Evangelho e a realidade em que eu me encontrava, quando isso rolou mano, foi instantânea a minha expulsão do bola... Mas isso é um assunto para outro post! vou ficando por aqui.

Espero poder te dar um grande abraço um dia mano! Um grande beijo, fique na Paz!

Thiago Marcone.



Um abraço Thiago! Felicidades na sua nova comunidade. Espero um dia poder partir o pão contigo e nos mantenha informados sobre a sua caminhada com Cristo. Deus o abençoe!

Danilo






 
Apologética 2986780182059489665

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail