681818171876702
Loading...

Pastor americano propõe criar campos de concentração para gays

Hélio Pariz

O pastor Charles L. Worley da Igreja Batista de Providence Road em Maiden, na Carolina do Norte, provocou uma enorme polêmica nos Estados Unidos ao propor, no púlpito de sua igreja (vídeo abaixo) no último dia 13 de maio, a criação de campos de concentração com cercas eletrificadas, de cerca de 100 a 150 milhas (de 155 a 233 km) de diâmetro, reunindo em um deles todas as lésbicas, em outro todos os gays, jogar comida para eles (de avião ou helicóptero, provavelmente), até que eles morram por causas naturais e - assim - não existam mais homossexuais no país.

Por mais que seja um exagero de retórica de profundo mau gosto contra a declaração do presidente Barack Obama a favor do casamento gay, a pregação do pastor Worley revela o quanto o discurso evangélico atual se tornou refém de um debate político-ideológico sobre identidade sexual cujos excessos e grosserias em nada contribuem para que vidas - inclusive dos homossexuais - sejam transformadas pelo puro e simples evangelho de Cristo. Mais afasta do que atrai.

Além disso, o pastor Worley imagina que, uma vez confinados e exterminados todos os homossexuais do seu país (ou do mundo, quiçá) por este método que, digamos, lembra certas práticas alemãs de meados do século XX contra judeus e homossexuais (entre outros), as novas gerações não produzirão mais homossexuais. A não ser que já prevejam reaproveitar futuramente os campos de concentração que - a essa altura do campeonato - estarão vazios e sem serventia.

Se é esta a mensagem do evangelho para o século XXI, algo muito estranho está acontecendo com o cristianismo.







 Morra de inveja, Julio Severo, risos.

homofobia 6455394791724862494

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail