681818171876702
Loading...

Evangélica que se dizia virgem casa grávida e tem casamento anulado. Que báfo!

Teria sido um anjo...
É verdade, você tem razão, é difícil dar um título a este fato com poucas palavras, fica mesmo meio confuso, mas você vai entender. Primeiro, o fato não aconteceu muito tempo atrás em um país distante com costumes religiosos esquisitos. Aconteceu recentemente em Goiânia (GO) mesmo. É que a noiva evangélica passou todo o namoro e noivado dizendo que queria se casar virgem, teve sua vontade respeitada pelo noivo (que não sabemos se era virgem ou não, não fica claro no texto da notícia), só que em plena lua-de-mel - pimba! - ela se revelou grávida. "Cuma"???!!! Isso sim é que é lua-de-fel, não é mesmo?

O passo seguinte foi a anulação do casamento, pedida pelo agora ex-marido e deferida pela juíza da causa, segundo noticia o Consultor Jurídico:





Marido virgem anula casamento com a mulher grávida

A juíza Sirlei Martins da Costa, da 2ª Vara de Família e Sucessões de Goiânia, julgou procedente o pedido de anulação de casamento realizado por um rapaz recém-casado. O autor da ação alega que, embora não mantivesse relações sexuais com a então noiva, descobriu, durante a lua-de-mel, que a esposa estava grávida.

Citada na ação, a esposa contestou a alegação do marido. Durante a audiência, porém, reconheceu os fatos, dizendo que, durante o namoro, era seguidora de uma igreja evangélica. Disse que, com base em sua crença religiosa, convenceu o noivo de que não podia manter relações com ele antes do casamento. Ainda de acordo com a mulher, ela casou-se grávida, mas só descobriu a gravidez durante a lua-de-mel, e assumiu que o marido não podia ser o pai.

Para a juíza, o depoimento pessoal da mulher é prova da existência de um dos requisitos para a anulação do casamento. A juíza determinou a expedição de documentos necessários para que o cartório anule o casamento e condenou a mulherao pagamento das custas e despesas processuais, além dos honorários advocatícios. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-GO.



Comportamento 1049882566356923777

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail