681818171876702
Loading...

Hermes Fernandes é


Um quase carioca da gema, nascido em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Aprendeu a sonhar muito cedo, quando seu pai, ainda sapateiro, confidenciava-lhes seus sonhos sob uma goiabeira, à luz das estrelas. Chegou ao Rio Capital com quatro anos e de lá só saiu para morar nos Estados Unidos em 2005, e para onde retornou recentemente.

Torcedor do Flamengo. Como jogador de futebol, descobriu-se um ótimo gandula.

Familiarizado com a culinária internacional, faz um delicioso ovo cozido (às vezes tirado antes da hora), e um miojo de dar água na boca. Gaba-se de transformar qualquer resto de feijão em tutu, bastando para isso, acrescentar-lhe farinha, muita farinha.

Leitor compulsivo. Devora livros até em momentos poucos recomendáveis, como quando espera abrir o sinal. Sebo é sua definição de paraíso. E que bom que lá a traça não corrói!

Foi precoce em tudo. Aos treze anos lecionava na classe de moças da Escola Dominical. Aos dezessete foi pastor interino de uma pequena igreja. Casou-se aos 20. E agora aos quase 40, é pai de três filhos anjolescentes: Rayane (filha mais que especial), Rhuan ( joga bola que é uma beleza! E não é como gandula!) e Revelyn (que já prometeu que ao ganhar o Oscar, vai dedicar ao seu jovem pai. Alguém advinha que carreira ela quer seguir?).

Tem gosto musical duvidoso. Na adolescência chegou a ter uma banda de rock cristão, e apreciava o som pesado das guitarras de bandas como Iron Maiden e AC/DC. Com a chegada da maturidade, ficou mais requintado e eclético, apreciando desde o Jazz, passando pela música clássica, até a Bossa Nova. De vez em quando tem uma recaída (ou seria crise de meia-idade?) e se pega ouvindo Hard Rock. Mas o estilo de que mais gosta é soundtrack (trilha sonora de filmes). E por falar em filmes, é um cinéfilo, amante de ficção científica (se for sobre viagem no tempo, melhor ainda) e principalmente de épicos. Chorou feito criança assistindo Coração Valente.

Nas horas vagas, gosta de compor. Mas seu maior hobby (um nome mais bonito pra vício) é escrever. Tem dezessete livros impressos, a maioria independente. Apenas três por editoras. O último deles é Amor Radical, lançado pela MK (ainda espera receber seus direitos autorais...)

Sua principal atividade é apascentar o rebanho que lhe foi confiado pelo Senhor. Em março de 2005 foi sagrado bispo por uma comissão de bispos episcopais nos EUA. Apesar disso, prefere a informalidade, e não se sente ofendido ao ser chamado pelo nome.

Considera-se um rebelde com causa. Não consegue ficar calado diante das injustiças, quer sociais ou eclesiásticas.

Sente-se incomodado ao ver a igreja cristã engasgada de tanto engolir camelos, enquanto côa mosquitinhos inofensivos. Por isso, entrou no ramo da blogagem, e descobriu aí uma maneira de tentar despertar cristãos espalhados pelo mundo.

Nasceu em berço pentecostal, e assistiu in loco o surgimento do neo-pentecostalismo. Seu pai foi um dos seus precursores no Brasil. Alguns dos líderes que hoje estão na TV foram seus discípulos. Com a chegada de sua filha especial, começou a questionar algumas das práticas do movimento. Em 95, depois de presenciar sua filha desenganada pelos médicos caminhar pela primeira vez pelo corredor central da igreja, abraçou a teologia reformada, e apaixonou-se pela doutrina da Graça.

Tem participado de muitos debates radiofônicos, com uma postura polêmica e firme sobre as coisas em que acredita.

A principal ênfase de sua mensagem hoje é a crença no futuro da humanidade. E é por crer nisso, que tem trabalhado em frentes sociais promovidas por sua igreja, atendendo a milhares de famílias nas comunidades carentes do Rio de Janeiro. Tornou-se um defensor do meio-ambiente, já tendo recebido a turma do Greenpeace para dar palestras em sua igreja.

De vez em quando, reúne uma turma pra doar sangue na Hemorio. Da última vez foram cerca de 100 pessoas.

Recentemente recebeu uma medalha do Comitê pela Paz da ONU. Apesar de sentir-se lisonjeado, esqueceu-se de onde a colocou.

Anda meio atravessado com o mundo gospel, e prefere enfocar seu trabalho para fora do arraial evangélico.

Luta por uma igreja engajada na transformação da realidade, não alienada, nem abestalhada.









Papo de Blogueiro 5669599978815877936

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail