681818171876702
Loading...

UOL publica matéria "exaltando igrejas inclusivas" e taxa de obscurantistas as denominações que rejeitam a viadagem na igreja



A matéria de Rodrigo Bertolloto (AQUI), além de festejar as igrejas gays, distorce consideravelmente a relevância e o alcance destas comunidades liberais e desce a cipoada nas denominações tradicionais.

Leia trechos a seguir e deixe os seus comentários:



A ciência e a maioria dos países já se convenceram que não há nada de errado em ser homossexual. Agora é a vez das religiões. Este século 21 assiste a uma abertura lenta, mas contínua, dos templos. O papa Francisco já pediu o acolhimento deles nas igrejas católicas. Denominações presbiterianas e metodistas celebram casamentos gays. Igrejas anglicanas e luteranas ordenam bispos com essa orientação. No Brasil, há um grande crescimento das chamadas igrejas inclusivas, seguidoras de uma teologia que prega que a diversidade humana é uma obra divina. A primeira surgiu em 1998. Atualmente no país existem mais de 30 diferentes denominações. Mas, por aqui, os evangélicos gays estão no meio do tiroteio que os cristãos tradicionais e a comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais e Transgêneros) estabeleceram nos últimos anos, quando os homossexuais passaram a exigir direitos e proteção do Estado. Mesmo criticados pelas duas trincheiras, eles mostram que é possível uma comunhão entre fé e afeto.


Lembrando que nenhuma denominação presbiteriana da IPB, IPI e demais denominações oficiais presbiterianas brasileiras realiza casamento entre pessoas do mesmo sexo. E, até onde sabemos, nenhuma das denominações metodistas relevantes pratica esta apostasia.


Todas as religiões do mundo exaltam a sinceridade e a fraternidade, mas poucas aplicam esses valores diante de pessoas que amam outras do mesmo sexo. Primeiro, as igrejas exigem que os gays ocultem e reneguem suas atrações. Depois, se eles não conseguem, são discriminados, punidos ou expulsos das igrejas. Religiosos adoram uma revelação divina, mas não desse tipo.
Lanna Holder e Rosania Rocha sentiram a provação na carne. Quando se apaixonaram, elas viviam em casamentos heterossexuais (Rosania com um pastor) e cuidando dos filhos. "Deus é um ser de amor, não é um juiz implacável. Fiquei anos fazendo jejuns, orações e terapias de regressão à infância para reverter meu desejo e não funcionou. Só quando a Rosania estava perto de mim eu estava bem. Isso foi um sinal divino", relata Lanna.
Depois que se separaram de seus maridos, foram chamadas de "sem-vergonha", "safadas" e "endemoniadas" por aqueles que eram seus irmãos de fé. Lanna não era mais chamada para pregar. Ninguém mais convidava a cantora Rosania para os louvores. Mas a via-crúcis delas teve também uma redenção: em 2011 o casal fundou em São Paulo a igreja Cidade de Refúgio, uma das denominações inclusivas que mais atraem principalmente os fiéis "convidados a se retirar" de outros templos.


Citar estas duas filhas de Jesabeu a fim de estabelecer doutrina para questão do pecado sa sodomia é como citar Fernandinho Beira-Mar como exemplo de bondade e candura.


A homossexualidade é um problema tão difícil de ser tratado atualmente dentro da comunidade cristã que tudo o que for dito será severamente criticado
Richard Foster, teólogo protestante
norte-americano

Outro baitola que gosta de aparecer.


A teologia inclusiva se apresenta como a única forma de os gays terem uma vida religiosa plena, mas até internamente essas igrejas sofrem dilemas: são santuários de gueto ou de transição? Esses templos recebem também heterossexuais, mas ali eles são minoria. Por outro lado, as grandes religiões estão adotando estratégias para não perder esses adeptos. Sobre o assunto, o historiador Leandro Karnal, especialista em religiões, dá a pista: "O futuro destas igrejas dependerá de oscilações do mercado da fé. Mas igrejas raramente fecham".

A longevidade do primeiro local de culto gay é prova disso. A Igreja da Comunidade Metropolitana surgiu em 1968 em Los Angeles (EUA), um ano antes do primeiro protesto LGBT do mundo, que aconteceu em Nova York, para reclamar da violência policial em bares gays. Hoje em dia, essa igreja tem 43 mil integrantes, com 222 congregações em 37 países, inclusive no Brasil.

A expansão, porém, não foi fácil. Fora as ameaças de morte e as agressões físicas aos fiéis, em todo o mundo 21 igrejas da denominação foram incendiadas ou destruídas. Não por nada no Brasil a maioria da igrejas inclusivas fica protegida em sobrelojas, galerias ou dentro de edifícios. Há sempre o temor da violência dos intolerantes.


Crescimento não é evidência de justiça. Sacanagem é o que mais cresce na mídia mundial e, nem pro isto é da vontade de Deus. O conselho de Gamaliel não se aplica a apostasia na Igreja de Cristo.

O articulista cita Leandro Karnal, o qual, parece insinuar que Jesus era gay e que a sua omissão ao pecado da sodomia é uma chancela para a sua prática. Convenhamos, o senhor Karnal como teólogo (o que não é) da um belo polemista de botequim.


Jesus não diz uma única palavra contra a homossexualidade e, num mundo onde isto seria muito estranho, Jesus não casa, não tem descendentes e só anda com homens.Leandro Karnal, historiador especializado em religião


O autor, a esta altura um misto de desinformação e promotor de exejegues de quanta, decide repetir o discurso raso da caducidade da lei mosaica, esquecendo que a questão do pecado homossexual está devidamente estabelecida nas cartas do Apostolo Paulo. Repetir a conversinha que compara dar o rabo com comer carne de porco é coisa de imbecil com diploma de jornalista. E, claro, ele tinha que arrumar uma forma de incluir o esquerdista mentiroso do Leonardo Boff para fechar o jorro de bobagens.


O instituto de pesquisa norte-americano Barna Group, fundado por cristãos, fez um levantamento com jovens de 16 a 29 anos que não frequentam igreja. A pergunta era: qual é a primeira palavra que vem à mente sobre as igrejas evangélicas? "Antigay" foi a resposta de 91% deles. A porcentagem não foi muito diferente entre jovens crentes: 80% responderam o mesmo.
No Brasil, o cenário se parece, afinal, a polêmica é decalcada do modelo norte-americano, com fundamentalistas cristãos de um lado e militantes LGBT de outro, em uma batalha moral, política e comercial. Os pastores tradicionalistas fazem uma interpretação literal da Bíblia e citam trechos do Gênesis, Levítico, Romanos e Coríntios para condenar os gays. Também classificam como "contorcionismo teológico", "promiscuidade simbólica" ou "sincretismo moral" as teorias inclusivas.
"O que muda o discurso religioso são os avanços sociais. A igreja se vê obrigada a se adaptar ou ela morre", define o reverendo Cristiano Valério, líder da filial brasileira da primeira igreja inclusiva do mundo. Os religiosos revisionistas criticam a leitura ao pé da letra do livro sagrado e afirmam que as proibições devem ser contextualizadas, afinal, algumas passagens foram escritas há mais de 3.000 anos. O Levítico, por exemplo, proíbe a homossexualidade junto com ingestão de carne de porco, ficar bêbado e ser médium.
Os inclusivos focam em trechos mais solidários da Bíblia, como o "amai-vos uns aos outros". Sua leitura se aproxima da Teologia da Libertação, que utiliza o Evangelho como instrumento de justiça social, resgate da dignidade e da vivência em comunidade. "Creio que os inclusivistas trazem uma nova visão do ensinamento bíblico e de boa fé. Ninguém pode negar que entre pessoas do mesmo sexo possa haver amor. Se há amor, aí há algo de Deus, que se autodefiniu como amor", afirma Leonardo Boff, que em sua época de frade franciscano ajudou na criação da Teologia da Libertação.
A fé é a reação do homem diante do mistério, do inexplicável no mundo. E, apesar de tão humana quanto a orientação de ser hetero, a homossexualidade não tem uma explicação única e infalível. Um conjunto de fatores genéticos, psicológicos e sociais influenciam, mas não há consenso sobre qual é o mais importante. A razão, porém, não interessa para a questão. O que importa é a pacificação e reconciliação das almas. "Eu falo como uma miss: quero a paz no mundo", se diverte Edvaldo Batista, que costuma se vestir de drag queen nas cerimônias da igreja Metropolitana para deixar seus paroquianos em estado de graça.

A partir dai, a leitura do artigo provoca um jato vomito. Quem tiver estômago, que faça bom proveito: http://tab.uol.com.br/gays-e-religiao






Notícias 3693451186607264521

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail