681818171876702
Loading...

Caio Fábio no Luciana By Night - CURTIDAS E NÃO CURTIDAS da entrevista






Estou aqui abrindo as apostas para saber qual trecho das entrevista de Caio Caio Fabio D'Araújo Filho irritou mais aos religiosos (façam as suas apostas):

(1) A lei caducou e todo o pacote do velho testamento;
(2) Estes porteiros do Céu, corretores do espiritual, vendedores de benção, donos de igreja nada tem haver com Jesus.
(3) Gandhi estava certo. Cristianismo atual nada tem a ver com Jesus.
(4) Caio Fábio realmente pregou para Luciana Gimenes, o que é uma afronta! kkk (este foi ironia).
(5) Caio falou que existe carma e não tem carma na Bíblia (pior é que no sentindo que o Caio deu, tem sim! KKKK)
(6) É possível assistir a pornografia sem ser pecado.
(7) Ouvir funk  é pecado de mau gosto musical (Concordo e proporia revisão dos mandamentos: Não ouvirás música ruim (funk, gospel, etc.)
(8) Parem de viadagem! Somos todos pecadores!
(9) Depois dos 50 não pode mais se masturbar. Melhor comer alguém (sic).
(10) Quem de você nunca roçou o pinto no amiguinho? (Hã?) (com direito a dancinha e tudo!)
(11) Eu vi Ets (Eu também! Cá pra nós o Edir Macedo é o que?)
(12) Sou a favor da redução da maioridade penal (Eu tb! Aleluia!)
(13) Sou contra a pena de morte (Até para petistas?)
(14) Casamento não é sacramento
(15) Sou favorável ao casamento gay (civil) mas não os realizo (religioso).
(16) Caio é favorável a liberação da maconha. 
(17) Caio se diz pessoalmente contra o aborto e defensor da vida, mas é a favor da descriminalização do aborto, pois não acredita no estado intervencionista sobre a vontade do indivíduo.
(18) Há esperança para os pouco dotados. Falem em línguas! kkk
(19) Dizimo é exploração religiosa. Os recursos devem ser expontâneos. 
(20) Caio disse que fazia jejum de 5 dias sem água e sem comida. (Ana Paula Valadão pirou!)


Brincadeiras à parte, segue o meu aparte

Caio emitiu suas opiniões do ponto de vista pessoal em alguns casos e, em outros apresentou algumas posições como sendo as bíblicas. Entretanto, é inevitável que o pau coma  e futrica corra solta (e muito!) pois à maioria interessa julgar as declarações de Caio fora ou dentro do contexto, segundo o que pareça mais maledicente, mesmo que irreal.





As opiniões do Caio são opiniões corajosas. E opinião é direito de todos. Eu, pessoalmente, discordo de algumas delas e concordo com outras tantas.  E, na qualidade de  um notório não-religioso (e, ao mesmo tempo, devidamente igrejado e membro de uma denominação, pela mais absoluta convicção) e amigo do Caio, sinto-me absolutamente livre para discordar de algumas de suas colocações , embora nenhuma me cause imenso incômodo, exceto a questão do aborto. E, sobre esta questão, em especial, me sinto ainda mais confortável a renovar a minha discordância, pois já discuti o tema com ele pessoalmente duas vezes, incluso ai a famosa e longa entrevista que ele me concedeu no final de 2011 e que está no YOU TUBE em diversas versões totalizando milhões de visualizações.

Sendo assim, não posso deixar de deixar aqui uma curta exposição acerca do assunto, pois estou certo que é a única posição sustentável seja do ponto de vista do direito, da ética, ou especialmente do ponto de vista bíblico.

A questão do aborto foi apresentada ao Caio pela Luciana Gimenes num quadro que remete ao notório "tira o chapéu" do programa Raul Gil. Diante de questões inscritas em tijolos, o convidado decide se quebra, ou não o tabu (o tijolo). Malgrado o curto espaço de tempo para desenvolver qualquer exposição minimamente aceitável sobre um tema tão complexo, Caio decidiu quebrar o tijolo do tabu do aborto. Caio se justificou afirmando que embora ele seja contra o aborto e militante da causa da vida, ele não acredita no estado intervencionista sobre a vontade do indivíduo, portanto ele quebra o tabu do aborto e dá ao indivíduo (a mãe, pais) o direito de fazer o aborto livremente, sem com isto estar cometendo qualquer crime, mas sofrendo as consequências espirituais, psicológicas, etc, de seu ato, obviamente. 

Penso radicalmente diferente. Primeiro, por mais que seja em espírito um liberal, acredito no estado democrático de direito e, embora este regime exija democracia e liberdade, é dependente da lei e da autoridade, pois sem isto não há direito. Sendo assim, vivemos no império das leis que garantem o direito a liberdade e a vida a todos e a propriedade, o trabalho, a religião, etc. e tudo o mais em espirito da mais harmoniosa convivência possível, respeito aos direitos do próximo, obediência à vontade da maioria (definida nas leis) e sob à proteção do Estado representado pelas autoridades democraticamente constituídas.  

Sendo assim o direito à liberdade de um não se sobrepor ao direito à vida de outro. A liberdade individual não pode estar acima da justiça e não há justiça se o direito de um exclui todos os direitos de outro, da sua própria existência.  

O aborto não é uma questão de foro intimo. Aborto é assassinato. O mandamento "não matarás", está correspondido e entendido em todas as convenções civilizatórias. As questões de saúde pública, dos direitos civis, as perspectiva social são absolutamente irrelevantes diante do valor da vida.  

Da mesma forma, o fato de o aborto já ser largamente cometido na clandestinidade não é razão para ser descriminalizado. Quem irá propor a legalização da corrupção governamental tão somente porque ela já ocorre e é incontrolável, especialmente no atual governo? Quem irá propor a descrinalização da latrocínio, por que o país não oferece opções a todos? Quem irá dizer que devemos descriminalizar o roubo porque os coitados dos ladrões correm risco de morte quando exercem a sua profissão? - Ah! Coitadinhos dos ladrões que são baleados e precisam recorrer à clinicas clandestinas para se tratar dos ferimentos a fim de não serem presos nos hospitais públicos...

E que fique claro que a posição bíblica sobre o aborto não diz respeito nem ao direito ao corpo por parte da mãe e nem do direito à vida da criança. A sacralidade da vida, segundo as Escrituras  não está na vida em si mesma. Estamos diante de uma outra perspectiva baseada em um dogma que está acima de todos os outros: A quem pertence a vida? Sobre isto, gosto sempre de citar a construção feita pelo Cardeal Carlo Maria Martini em carta dirigida a Umberto Eco (página 37 do livro “Em que crêem os que não crêem” - Ed. Record), na minha opinião, a proposição que melhor ilustra o pensamento cristão sobre o assunto:

[...]

Mas também sobre este ponto é necessário que se faça luz. Muitas vezes se pensa e se escreve que a vida humana é, para os cristãos, o valor supremo. Tal modo de exprimir-se é, no mínimo, impreciso. Não correspondem aos Evangelhos, que dizem: “não fiqueis temerosos dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma” (Mateus 10:28). A vida que tem valor supremo para os Evangelhos não é aquela física, sequer a psíquica (para os quais os Evangelhos usam os termos gregos Bios e psyché), mas a vida divina comunicada ao homem (para qual é usado o termo zoé).

Os três termos são acuradamente distinguidos no NT e os dois primeiros são subordinados ao terceiro: “Quem ama a sua vida (psyché) a perde e quem odeia a sua vida (psyché), deste modo a conservará para a vida eterna (zoé) – João 12:25. Por isto, quando dizemos VIDA com maiúscula devemos entender, antes de tudo, a suprema e concretíssima VIDA e SER que é próprio de Deus. É esta vida que Jesus atribui a si (“Eu sou o caminho, a verdade e a VIDA (zoé)” - João 14:6, e da qual cada homem e cada mulher é chamado a participar. Assim, o valor supremo é o homem vivente da vida divina.

Daí se depreende o valor da vida humana física na concepção cristã: é a vida de uma pessoa chamada a participar da vida do próprio Deus. Para um cristão, o respeito da vida humana desde a primeira individualização não é um sentimento genérico (pessoal ou intelectual), mas o encontro com uma responsabilidade precisa: a deste ser vivente humano concreto cuja dignidade não está confiada apenas na avaliação benevolente minha ou a impulso humanitário (*) , mas a um chamado divino. É algo que não é apenas “eu” ou “meu” ou “dentro de mim”, mas diante de mim.







Capa 8563547481860168562

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail