681818171876702
Loading...

Igreja estadunidense protesta contra nova lei que permite comerciantes recusarem clientes gays




A lei do estado de Indiana (USA) permite a lojistas e prestadores de serviços reusarem atendimento a gays com base em suas crenças religiosas.

Nesta última quinta-feira (26 de março), o Gov. Mike Pence do estado de Indiana, nos Estados Unidos, assinou uma polêmica lei de inspiração fundamentalista, a chamada "Religious Freedom Restoration Act" que permite a comerciantes e profissionais do Estado de Indiana se recusarem a atender clientes gays sob a alegação de convicções religiosas pessoais. Segundo o noticioso Huff Post, isto significaria que, por exemplo, um fotografo possa se recusar a fotografar um casamento de lésbicas, alegando que isto fere as sua religião.


Há muita discussão constitucional a respeito do alcance e validade desta lei e há quem afirme que este debate alcançará a suprema conte do país, contudo a lei já está em prática. Outros defendem  que a lei é um baluarte na defesa da liberdade religiosa: "A fé e a religião são valores importantes para milhões de cidadãos de Indiana e com a aprovação desta legislação", disse o governador Pence em um comunicado, "podemos garantir que Indiana continuará a ser um lugar onde respeitamos a liberdade de religião e onde a ação do governo vai sempre colocar no mais elevado escrutínio o respeito às crenças religiosas de cada cidadão e de cada fé. "

O Governador Pence, após a assinatura da lei, disse aos jornalistas que Indiana "deveria ter feito isso há muito mais tempo", e ele rejeitou a ideia de que o estado pagaria um alto preço financeiro ao impor esta lei:  "A economia do estado vai  bem e os meios de comunicação têm interpretado que a lei não sanciona a discriminação, mas protege-as de um governo que as possa forçar   a agir contra suas crenças religiosas profundamente arraigadas"


A empresa controlada por cristãos evangélicos
mobilizou crentrs de todo o país na sua luta pelo
direito de recusar pagar pelo aborto de uma
funcionária, como manda lei do Obama Care.
O governador lembrou que leis semelhantes já estão em vigor em outros estados dos Estados Unidos e citou a recente e polêmica decisão do Supremo Tribunal dos estados Unidos no caso "Hobby Lobby", envolvendo o sistema de saúde. Este foi um episódio marcante de 2014 que levou à batalha cristãos evangélicos, governos progressivas, feministas e a imprensa secular em torno de um processo movido por uma empresa que se recusou a pagar pelo aborto de uma de suas funcionárias.

Para os que desconhecem a matéria, os valorosos e avançados Estados Unidos têm bomba atômica, Hollywood e Disneylândia, mas não possuem um sistema universal de saúde gratuita. Há planos de saúde particulares individuais, sindicais e corporativos e, também, sistemas subsidiados e controlados pelo governo, contudo todas as coberturas médicas são sempre pagas de maneira que uma parcela considerável da população estadunidense, obviamente os mais pobres e imigrantes, não têm acesso à saúde gratuita. 



Recentemente,  o governo criou uma legislação, conhecida por  Obama Care que obriga as empresas  a bancarem planos de saúde básicos para os seus funcionários, sem qualquer tipo de desconto em folha. Este plano cobra uma taxa mensal pequena das empresas e um tipo de "franquia" quando o funcionário usa o seguro em casos mais custosos. O famoso caso "Hobby Lobby", uma megastore de bricolagem e decoração,  inicia quando uma funcionária de uma das lojas da rede decide fazer um aborto e a empresa se recusa a pagar pela franquia do procedimento. O caso chegou ao Supremo com a defesa alegando razões de convicção religiosa. Durante todo o processo a empresa foi massacrada pela imprensa e por ativistas de esquerda que chegaram a propor boicote a Hobby Lobby e a dizer que se a empresa era tão cristã e dizia administrar seu negócio segundo os princípios cristãos não deveria vender nada que viesse de países onde há desrespeito a leis humanitárias para o trabalho. 

Os evangélicos contrapuseram os boicotes com apoio e fidelidade nas compras e campanhas de oração. Hobby Lobby" ganhou a ação e não pagou pelo aborto. 


Oposição inesperada

Ao contrário do que se poderia imaginar, a primeira oposição mais contundente à lei partiu de uma grande denominação religiosa do estado de Indiana e que, rapidamente, encontrou o apoio de outras comunidades cristãs. A Igreja Cristã (Discípulos de Cristo) com  sede em Indianópolis a quase um século, distribuiu declaração avisando que irá deslocar o encontro nacional da denominação do estado de Indiana, um evento reunindo milhares de cristãos, em repudio a nova lei  estadual além de suplicar que a lei seja vetada.


"Como cristãos, somos particularmente sensíveis aos valores Daquele que seguimos - O Cristo que se se sentou à mesa com pessoas de todas as esferas da vida  e amou a todos eles", declarou uma das lideranças da Igreja Discípulos de Cristo, a Rev. Sharon Whatkins. (foto).


Obviamente, outros grupos cristãos já somam esforços no apoio a lei. Contudo, a maioria concorda que os dois assuntos "Aborto" e "Gays" são incomparáveis. Uma coisa é apoiar mais uma batalha na guerra contra o aborto e outra é apoiar uma lei que pode, facilmente, descambar na peça central de um apartheid gay.

A batalha, contudo, está apenas no inicio e, logo irá para a esfera econômica. Outros negócios e convenções  já informaram que pretendem boicotar o estado de Indiana, movendo seus eventos para outros estados. Indiana é um estado estadunidense que recebe muitos eventos nacionais e mundias, por ser uma localidade central, com excelente estrutura e preços muito competitivos. 

Tempestade que se forma no Brasil

Entre o médico que se recusa a fazer um aborto, a babá que não quer trabalhar num lar gay, uma escola que recusa uma criança afeminada ou filha de gays e um restaurante que nega atendimento a um casal gay há gradações imensas levando esta lei a uma zona cinzenta. O direito à liberdade religiosa é fundamental, mas também a igualdade diante das leis. Muita água irá correr debaixo desta ponte e este é um prenuncio do que se forma aqui no Brasil, este país que aposentou o homem cordial e a democracia racial e mergulhou fundo na luta de classes pelas mãos da estratégia eleitoral maniqueísta do PT.  O crescimento da bancada evangélica, nos padrões atuais e o aumento do poder e da agressividade do lobby "progressista" com a sua agenda contrária a família e a vida são os ventos da tempestade que se forma no horizonte. Resta saber, se a opção pelo embate, tomada pelos dois lados, foi uma escolha inteligente ou se ficaremos reféns desta batalha que virou meio de vida para muita gente.




religião 5396132159671983898

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail