681818171876702
Loading...

Dono de piscina com suástica já teve objetos nazistas apreendidos e deu ao filho o nome de Adolf


Professor de história se declarou admirador da ideologia, mas diz que não propaga ideais


R7

Uma foto aérea divulgada pela Polícia Civil de Santa Catarina na terça-feira (2) chocou muitas pessoas. Uma suástica, imagem conhecida como símbolo do nazismo, foi flagrada no fundo de uma piscina em uma casa na cidade de Pomerode. O imóvel pertence ao professor de história Wandercy Antonio Pugliese, que já teve problemas com a Justiça.

Em 1994, Pugliese teve apreendidos pela polícia diversos materiais relacionados ao nazismo, como livros, revistas, fotografias, gravuras do exército alemão, objetos com a cruz suástica e uma camiseta estampada com a imagem de Adolf Hitler.

Na ocasião, ele se declarou admirador da ideologia nazista, mas defendeu que tudo fazia parte de uma coleção pessoal destinada a estudo. A simpatia dele pelo nazismo é tanta que batizou o filho com o nome de Adolf.

O professor chegou a ser denunciado pelo crime de racismo após a apreensão do material na casa dele, mas a ação penal foi arquivada. A acusação só passou a ser considerada crime em 1997, após a aprovação da lei 9.459/97.

Em 2001, a Justiça Federal negou que Pugliese pudesse reaver os objetos apreendidos. No recurso, ele reforçou que o material não era para divulgação dos ideais nazistas.

O delegado Luiz Gross, que recebeu a informação da suástica na piscina, disse que não há o que investigar nesse caso. A imagem está dentro da residência e, por isso, não houve divulgação dela, o que caracterizaria crime.

Wandercy Antonio Pugliese leciona em um cursinho no Vale do Itajaí. Ele já trabalhou em grandes colégios do Estado nos últimos anos. Alunos dele disseram à reportagem que Wander, como é conhecido, nunca pregou a ideologia nazista em sala. O R7 tentou entrar em contato com o professor, mas ele não foi localizado. Após a notícia, moradores da cidade, que tem cerca de 30 mil habitantes, começaram a divulgar ofensas contra ele nas redes sociais.

"É abominável, mas não é crime", diz advogado criminalista


O advogado criminalista Sergei Cobra Arbex afirma que, apesar de "abominável" e "deplorável" esse tipo de comportamento, o fato do professor ter uma suástica na piscina de casa não caracterizaria crime, de acordo com a lei.

Porém, o advogado diz que o caso poderia ganhar força, caso novos indícios aparecessem.

— Só a suástica na piscina não renderia uma investigação, porque a ação da polícia poderia entrar em confronto com a liberdade íntima da pessoa. Mas se outros indícios aparecerem ele poderá ser investigado, mas com todo o respeito e sem invasão. A lei diz que o racismo ele é criminoso quando é feito de forma pública. Apesar de ser uma convicção abominável, não é crime.

Arbex diz que o caso é importante para promover uma discussão sobre como o racismo e a falta de tolerância ainda está presente na sociedade.

— Esbarra na moralidade e o debate é inevitável. Isso é um alerta para quem insiste em ter, mesmo que minimamente, uma conduta nazista.


Notícias 1972138853499598660

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail