681818171876702
Loading...

Cristão egípcio é preso por tentar legalizar sua conversão no país


PORTAS ABERTAS

O primeiro cidadão egípcio que tentou mudar a sua identidade religiosa legal de muçulmano para cristão, Mohammed Hegazy, está preso há um ano, à espera de um veredito sobre as acusações de contravenção, em julgamento que acontecerá em 28 de dezembro


Hegazy enfrentará a pena de prisão de cinco anos, se o tribunal confirmar a sentença pronunciada em junho do ano passado, quando ele foi declarado culpado de "filmar ilegalmente as manifestações anticristãs" em Minya - Alto Egito.

Seu advogado, Karam Ghobrial, disse à World Watch Monitor que ele está "otimista" de que o juiz do tribunal de recurso irá derrubar a sentença, simplesmente porque não foram apresentadas provas que justifiquem as acusações contra seu cliente. Ghobrial alega que a verdadeira razão de Hegazy ser preso e depois mantido sob custódia por acusações menores é porque ele é conhecido publicamente por tentar legalizar a sua conversão ao cristianismo.

Em uma audiência de apelo em 23 de novembro perante o juiz Ahmed Abdel Aziz el-Ghool do Tribunal de Contravenções de Minya, Ghobrial declarou não haver nenhuma prova de que seu cliente houvesse quebrado nenhuma lei, e que era ilegal a prisão do cristão convertido.

"Minha defesa foi baseada na ausência de um "flagrante delito" [um prazo legal para ser apanhado no ato de cometer um crime]", disse Ghobrial. Hegazy foi preso no dia 4 de dezembro de 2013, acusado de filmar, sem permissão, manifestações da Irmandade Muçulmana, em Minya.

Identificado pelo policial que o prendeu como "uma pessoa convertida" [do islamismo ao cristianismo], Hegazy também foi acusado de "espalhar notícias falsas e boatos.”

“Ele não estava filmando ou tirando fotos ou fazendo nada de errado, no momento em que o policial chegou e prendeu-o", disse Ghobrial. "Por lei, tirar fotos não é um crime em si mesmo", disse o advogado.

Ele ressaltou que Samia Naguib, que estava com Hegazy na época em que foi preso, testemunhou durante o julgamento que, embora ela também estivesse tirando fotos ao lado de Hegazy antes de o policial chegar, o oficial que prendeu Hegazy não a prendeu.

Embora a promotoria alegue que Hegazy circulava declarações falsas que perturbaram a segurança pública, Ghobrial ressaltou que nenhuma prova contundente de acusação fora apresentada.

Além disso, disse ele, a polícia foi infeliz em obter uma ordem de prisão exigida a partir de qualquer tribunal ou a promotoria, isso torna a prisão de Hegazy ilegal. "Ele simplesmente foi para o Sindicato da Agricultura local depois que ele recebeu um telefonema informando que Hegazy estava lá", Ghobrial disse, e prendeu-o sem qualquer autorização legal.

Para alívio do advogado, funcionários da prisão de Tora, no Cairo cooperaram com a transferência de seu cliente para Minya para comparecer à audiência de apelo inicial, em 16 de novembro, quando, sem aviso, o juiz não compareceu, e novamente quando a audiência foi adiada em 23 de novembro.

Após Ghobrial apresentar sua defesa perante o tribunal, o juiz el-Ghool afirmou que ele iria anunciar seu veredicto em uma audiência final em 28 de dezembro próximo. Ambos Hegazy e seu advogado devem comparecer nessa audiência, com as provas de defesa para que o juiz as examine e proceda ao julgamento.

Detenção 'arbitrária' na cela da morte
Vários dias após a audiência do dia 23 de novembro, Ghobrial disse que Hegazy ainda não tinha sido transferido de Minya de volta à prisão de Tora. Em vez disso, no dia primeiro de dezembro, ele foi "recolhido arbitrariamente" em uma cela solitária reservada para prisioneiros sentenciados à pena de morte.

"Meu cliente foi enclausurado dentro da câmara de execução, em violação da lei, porque ele está sob custódia e ainda sob investigação", disse Ghobrial à Christian News em2 de dezembro. De acordo com o advogado, foi uma tentativa ‘maliciosa' e ‘vingativa’ contra seu cliente pelo fato de ter abandonado a fé islâmica.

Depois de uma noite na solitária, Hegazy declarou que faria uma greve de fome, caso não fosse removido. Ele foi transferido de volta à prisão de Tora no dia seguinte.

Embora o advogado diga que ele e seu cliente continuam otimistas e de que o juiz do tribunal de apelação em Minya vai absolvê-lo no dia 28 de dezembro, o cristão ainda pode ser devolvido à prisão de Tora para enfrentar outras acusações de "insultar o islamismo" a partir de um caso agora obsoleto arquivado contra ele em 2009.

Inicialmente apresentado por dois advogados muçulmanos, o caso foi retomado em julho pelo Ministério de Segurança do Estado Supremo no distrito de El-Tagamu El-Khames do Cairo como um pretexto para reenviar Hegazy sob custódia, após o tribunal Minya te-lo libertado até sua sentença final ser pronunciada.

Apesar de agora estar com 31 anos de idade, Hegazy se converteu ao cristianismo quando era ainda um adolescente, desde então ele assumiu o nome cristão Bishoy Armiya Boulos. Após se casar com uma também ex-muçulmana, ele se candidatou para a identidade cristã legal em agosto de 2007. Desde então, ele enviou sua esposa e filhos solicitando asilo na Europa.





religião 8062051102577536894

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail