681818171876702
Loading...

Esta é a mente dos cães sanguinários do Hamas, Isis, Hezbollah e outros facínoras seguidores do Islã


Por Luis Castro

Os cães sanguinários do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIL, ou, em inglês, ISIS) acabam de declarar em uma das contas de Twitter administradas pelo grupo de que é "apenas uma questão de tempo e paciência" até eles chegarem a Palestina para "lutar contra os Judeus bárbaros" e "matar aqueles que se escondem atrás das árvores Gharkad" e que para tanto, não economizarão esforços para eliminar todo e qualquer obstáculo em seu caminho.



Para quem não sabe, Gharkad é um arbusto resistente ao cloreto de sódio(sal), nativo das áreas desertas do norte da África e Oriente-médio. Nesse discurso revestido de ódio, os extremistas muçulmanos fazem uma explícita alusão ao l-Musnadu Al-Sahihu bi Naklil Adli, um dos 6 livros sagrados Kutub al-Sittah, escrito por Abu al-Ḥusayn. Esses livros compõem uma coleção de hadith (frases e ensinamentos do profeta Muhammad) compilada por 6 estudioso islâmicos sunitas no 9º século da Era Comum.

Eles são referidos algumas vezes como Al-Sihah al-Sittah, que se traduz em "O Autêntico Seis". Os sunitas vêem essas coleções de tradições proféticas como registros indubitavelmente confiáveis em termos religiosos. Para se ter uma idéia, alguns círculos consideram um desses 6 livros, o Sahih al-Bukhari, como o livro MAIS AUTÊNTICO depois do Alcorão. Não é a toa que estes livros são uma inspiração para o Hamas e o EIL.




Neófitos defensores de jihadistas, assistam! E calem-se!


Tanto é verdade, que a tal referência ao arbusto se trata de uma passagem encontrada no capítulo XVI , 6985 do livro supracitado e foi integralmente implementada no Artigo 7º do ESTATUTO DO HAMAS onde podemos ler:

"O Dia do Julgamento não virá até que os Muçulmanos LUTEM COM OS JUDEUS. Quando os Judeus se esconderem atrás das pedras e árvores as pedras e árvores dirão: "Ò Muçulmanos, Ò Abdullah, há um Judeu atrás de mim. Venha e mate-o. Somente a árvore Gharkad não fará isso, porque ela é uma das árvores dos Judeus."

Seguido pelo artigo oitavo, que assevera:

Alá é o objetivo, o Profeta seu modelo, o Alcorão, sua Constituição e a JIHAD SEU PÁTIO E MORTE, pois a causa de Alá é a crença mais sublime."

E esse foi o grupo que os palestinos elegeram nas eleições de 2006?


O domínio do EIL, que se proclamou um califado árabe, compreende uma ampla extensão territorial que vai de Baghdad, a Aleppo e Mosul. A incursão resultou na conquista de importantes cidades iraquianas e continua a avançar sem grande resistência.



Cristãos, prisioneiros de guerra e opositores são executados como animais em um matadouro. Qualquer coisa não-islâmica é simplesmente varrida. Mais de um milhão de pessoas foram obrigadas a deixar seus lares. Na cidade de Mosul, além de templos e outras relíquias históricas de impronunciável estima cultural terem sido destruídas por serem consideradas infames, tais como a mesquita do profeta Younis, ou Jonas (que diz a lenda ter sido engolido por uma baleia), 5 mil cristãos foram forçados a experimentar a espada ou a conversão. Os direitos das mulheres foram brutalmente restritos e na última semana, o Estado Islâmico ordenou a todas as mulheres entre 11 a 46 anos de idade a submeterem-se a mutilação genital.

Os idiotas úteis que aplaudem esse exemplo de retrocesso social são os mesmos iletrados que afirmam que a campanha jihadista contra os Judeus e demais "kafirs" nasce de uma divergência "territorial". Decerto nunca se deram o trabalho de estudar a história dos povos além da camada fina e superficial apresentada por uma mídia tendenciosa. Tão pouco se reservaram alguns minutos para ler o Estatuto do Hamas ou assistirem as declarações de outros expoentes extremistas do mundo islâmico.

Se não se convencerem por minhas palavras. Assistam o vídeo e convençam-se pelas palavras deles.


Genizah
-Em https://www.facebook.com/thekingdomnews







religião 5157315488639405595

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail