681818171876702
Loading...

Afinal, somos todos levitas?



Introdução

Arão apresentará os levitas ao Senhor como oferta ritualmente movida da parte dos israelitas: eles serão dedicados ao trabalho do Senhor.  Números 8:11
Dessa maneira você separará os levitas do meio dos israelitas, e os levitas serão meus.
Depois que você purificar os levitas e os apresentar como oferta movida, eles entrarão na Tenda do Encontro para ministrar.
Eles são os israelitas que deverão ser inteiramente dedicados a mim. Eu os separei para serem meus em lugar dos primogênitos, do primeiro filho homem de cada mulher israelita.
Números 8:14-16
Dentre todos os israelitas, dediquei os levitas como dádivas a Arão e aos seus filhos; eles ministrarão na Tenda do Encontro em nome dos israelitas e farão propiciação por eles, para que nenhuma praga atinja os israelitas quando se aproximarem do santuário".
Números 8:19
Existe uma mentalidade em nossas igrejas não de hoje, no Brasil, mas que já vem de alguns anos, de que pessoas que são chamadas para trabalhar com ministério de música são “levitas”. E por conta disso e da atual explosão da música gospel nas mídias e nos cultos, não é difícil encontrarmos estudos bíblicos para levitas, encontro de levitas, enfim, visando suprir as necessidades dessa classe que dizemos existir. Neste artigo, iremos ver quem eram os levitas, e porque essa nomenclatura não se aplica aos ministros de louvor dos dias hoje.

Quem eram os levitas e quais eram as suas responsabilidades?

Os levitas eram uma tribo dentre as 12 do povo de Israel, descendentes de Levi, filho de Israel (Jacó). E como os versículos acima mostram, Deus ordenou a Moisés, que inclusive era levita (Números 26:59), para separar toda essa tribo para servir ao Senhor no tabernáculo. 

Isso significava que os levitas seriam os músicos do tabernáculo? NÃO! Você pode se perguntar, “Mas quem eram os músicos do tabernáculo?” Ninguém, é a resposta. No tabernáculo de Moisés, se você ler os relatos do Pentateuco e dos livros históricos, você vai descobrir que não tinha música envolvida nas cerimônias religiosas que ocorriam no tabernáculo de Moisés. A música com certeza era utilizada pras festividades e em momentos marcantes da vida do povo de Israel, mas não nas solenidades sagradas. 

A música só começa a fazer parte do momento de “culto” no tabernáculo de Davi, quando este separa algumas famílias da tribo de Levi e os coloca como músicos, para ministrarem com música diante da Arca do Senhor. (1 Crônicas 16:4) 

Então, o que os levitas faziam? Eles desmontavam todo o aparato que envolvia o tabernáculo quando a nuvem se movia, durante a peregrinação no deserto, e montavam tudo de novo, quando a nuvem estacionava. Você já pensou em quanto sangue era derramado no altar? Os levitas é que higienizavam tudo, limpando, mantendo tudo em ordem. Eram eles que carregavam os utensílios do tabernáculo pelo deserto. 

Sim, depois que Davi os designou, algumas famílias de Levi atuavam como músicos, ministrando ao Senhor diante da arca. Portanto, já vemos que seria incorreto dizer que os levitas são os que são chamados para a área da música na igreja. Se queremos ser bíblicos, deveríamos chamar de levitas a equipe de limpeza e também os porteiros e diáconos. Mas não é somente essa questão que precisa ser analisada quando falamos da existência de uma classe levítica na igreja.

A levitização dos músicos

Em 2012, a Rede Globo promoveu um Festival de música gospel, transmitido em rede nacional, intitulado “Festival Promessas”. Muito se debateu sobre a validade de tal iniciativa, e não é meu intuito discutir isso aqui neste artigo. Estou trazendo à tona este assunto, pois ao entrar no site do Festival, me deparei com o slogan: “Só os levitas podem carregar a arca”, baseado no versículo 1 Crônicas 15:2. Parece uma frase bíblica e inofensiva, mas o que estamos dizendo com ela? 

Que existe uma classe de pessoas chamadas por Deus na igreja, atualmente, denominadas “levitas”, que são os responsáveis por “carregar a arca”, ou seja, ministrar, levar, carregar a presença de Deus para as outras pessoas. E quem não é levita, consequentemente, não pode carregar essa “arca” ou essa manifestação da presença de Deus. 

No versículo anteriormente referido, Davi havia estabelecido seu reino em Jerusalém e queria trazer a arca de volta para o centro da vida de Israel. Só que Davi se esquece que existia uma ordenança do próprio Deus que a arca tinha argolas para que varais pudessem ser colocados, para que os levitas carregassem a arca nos ombros. O rei coloca a arca em carros de bois, e essa falta de cuidado com os detalhes do transporte da arca se revela um verdadeiro desastre, culminando com a morte de Uzá. 

E aí pegamos este contexto que acabei de explicar e criamos uma separação entre “levitas” e “não-levitas” e conclui-se, então, que os não levitas não podem carregar a presença de Deus na igreja neo-testamentária. Mas o que o Novo Testamento tem a dizer sobre isso?

A imperfeição do ministério levítico

O livro de Hebreus trata muito profundamente sobre a questão do ministério levítico. Aconselho que você, leitor, após terminar a leitura deste artigo, leia os capítulos 7, 8, 9 e 10 de Hebreus. Vejamos alguns pontos importantes que são tratados pra nossa discussão: 

“Se fosse possível alcançar a perfeição por meio do sacerdócio levítico ( pois em sua vigência o povo recebeu a lei ), por que haveria ainda necessidade de se levantar outro sacerdote...?” (Hebreus 7:11) 

Veja bem, o autor do livro de Hebreus constata que o ministério levítico não conseguiu trazer a perfeição para ninguém e por isso ele precisou ser substituído. Mas qual foi essa substituição? 

Jesus, através da Sua morte na cruz, se coloca num papel duplo: como sacerdote e como sacrifício, e se torna Sacerdote para sempre. Veja o que diz a carta aos Hebreus: “Ora, daqueles sacerdotes tem havido muitos, porque a morte os impede de continuar em seu ofício; mas, visto que vive para sempre, Jesus tem um sacerdócio permanente. Portanto ele é capaz de salvar definitivamente aqueles que, por meio dele, aproximam-se de Deus, pois vive sempre para interceder por eles. (Hebreus 7:23-25)

Sabemos que Jesus não era levita, pois ele era descendente de Davi e Davi era da família de Judá. Então, se Jesus não se tornou sacerdote pelo sacerdócio levítico, a qual ordem Ele pertence? 

A Ordem de Melquisedeque

O autor da epístola nos responde dizendo que Jesus é sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque. (Hebreus 6:20). Quem era esse Melquisedeque? 

Lemos em Gênesis 14 que Abraão retornava de uma guerra quando Melquisedeque chega para visitá-lo e Abraão ofereceu os dízimos dos despojos da guerra a ele. Quem era essa pessoa? Ele só é apresentado como Rei de Salém (futuramente Jerusalém), rei de paz, e também sacerdote do Deus altíssimo. 

Veja algo interessante. Esse Melquisedeque (sem linhagem, sem genealogia, sem apresentação prévia, como diz Hebreus 7:3) era rei e também sacerdote. Não encontramos alguém ocupando essas duas funções em nenhum outro lugar das Escrituras. Ou se era rei ou se era sacerdote. Melquisedeque ocupa essas duas funções. 

O autor de Hebreus é tão perspicaz e inspirado pelo Espírito em sua explanação que ele diz que só se dava dízimo a quem se considerava como superior. Se Abraão, o grande patriarca de Israel e consequentemente de Levi, deu dízimo a Melquisedeque, era porque ele considerava o rei de Salém superior a si mesmo. Portanto, na pessoa de Abraão, Levi já era declarado menor que Melquisedeque. 

Cristo também ocupa essas duas funções: Rei dos Reis e Sumo Sacerdote para sempre, por isso Ele é sacerdote não por Levi, mas pela ordem de Melquisedeque.

O Sacerdócio de Todos os Santos

Qual é a implicação prática disso tudo para nós? Cristo inaugurou uma Nova Aliança, um novo tratado, uma nova forma de nos aproximarmos de Deus. “Chamando "nova" esta aliança, ele tornou antiquada a primeira; e o que se torna antiquado e envelhecido, está a ponto de desaparecer.” (Hebreus 8:13)

A Nova Aliança tornou a Antiga Aliança obsoleta. Não estou dizendo que ela se tornou sem valor, mas sim que precisamos reavaliar os preceitos da Antiga Aliança pelos “óculos” da Nova. 

Nesta Nova Aliança, o apóstolo Pedro diz que em Cristo, nós, Seu povo, somos “geração eleita e SACERDÓCIO REAL, nação santa, povo exclusivo de Deus. (1 Pedro 2:9) Veja, em Cristo nós também somos feitos reis e sacerdotes, ou seja, também não pertencemos a linhagem de Levi , mesmo porque, de forma geral, nem mesmo somos judeus, e o sacerdócio de Levi era transmitido pela descendência humana, genética. Já a linhagem de Melquisedeque é espiritual, e aí sim, podemos ser feitos sacerdotes segundo esta ordem.
 
Quem faz parte desta linhagem? Só os músicos, ou seja, cantores, instrumentistas? NÃO! Todo nascido de novo, TODA a Igreja é feita sacerdote na linhagem de Melquisedeque. Ou seja, não temos uma classe escolhida, ungida, separada de “levitas” que faz com que a igreja se sinta “plateia” em um culto, enquanto os “levitas” são os ministros. 

Não podemos criar essa mentalidade em nossas igrejas! Isso é anti-bíblico e extremamente nocivo para nossos cultos comunitários e para nossa vida cristã diária. Quando a igreja se reúne, temos alguns que estão ali liderando, mas toda a igreja se reúne, espiritualmente, diante do trono do Cordeiro e se apresenta como sacerdotes, e todos podem se achegar diante da presença d´Ele. 

Achegando ao trono da graça

Na Nova Aliança, não são só os levitas que podem carregar a “arca”. Na Nova Aliança, cada nascido de novo se torna “arca” e também sacerdote, ou seja, tem livre acesso a presença de Deus. Então, em nossos cultos, os membros da igreja não são plateia! Só existe uma plateia em nosso culto: o próprio Deus! Nós todos temos a responsabilidade de ministrar à presença de Deus. 

Portanto, ao dizer que somos “levitas” nos colocamos como intermediários entre o povo e Deus, que é exatamente o que faziam os filhos de Levi. Isso é uma afronta ao sacrifício de Cristo na cruz que rasgou o véu, para que todos os nascidos de novo tivessem livre acesso ao Pai. (Hebreus 10:19-20) 

Algumas vezes agimos com boas intenções, mas acabamos “recosturando o véu que a cruz já rasgou”, como diz João Alexandre, em sua “É Proibido Pensar”. Irmãos, o que precisamos ensinar é que TODOS os nascidos de novo podem se achegar diretamente a Deus, sem intermediários. 

Quantos pastores querem “fidelizar” “suas” ovelhas, e por isso não trazem ensinamento, por medo de perder rebanho! Quantos ministros de louvor se sentem “importantes” quando ocupam essa posição de intermediários e tem medo de perder seu status ao ensinar que as pessoas tem igual acesso ao trono da graça! Isso precisa cair por terra. A verdade é que nos liberta pra vivermos a vida de Deus pra nós.

Conclusão

Temos muitos princípios interessantes sobre os levitas que podem ser aplicados a nossa vida de forma bem interessante, mas a aplicação do sacerdócio levítico aos crentes da Nova Aliança é um ensinamento extremamente nocivo a médio e longo prazo, como expus neste estudo.

Como ministros, precisamos ter um embasamento teológico de qualidade para não levarmos as pessoas de nossa congregação a uma posição de engano. Precisamos, sim, conscientizar as pessoas da realidade da Nova Aliança e de como elas podem se aproximar por elas mesmas de Deus, sem precisar de intermediários.


Renato Marinoni é fundador e diretor do IACA - Instituto de Adoração, Cultura e Arte - juntamente com sua esposa, Andressa Marinoni. Autor do livro “Mergulhando na Adoração”, com mais de 4 mil exemplares vendidos, Renato é formado em Louvor e Adoração pelo CTMDT, tendo trabalhado como professor nessa mesma instituição por 6 anos. É teólogo e atualmente mestrando em Teologia Sistemática pelo Centro de Pós-Gradução Andrew Jumper (Mackenzie – SP). Andressa e Renato são ministros de adoração da Igreja Batista Nações Unidas, sob a liderança do Pr. Luiz Sayão. www.iacabrasil.com







 

Louvor e Música 1891981041855654654

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail