681818171876702
Loading...

Jesus celebrou a Páscoa em uma quarta-feira?








por Johnny T. Bernardo





Para satisfação dos sabatistas, mas sem qualquer respaldo bíblico, o professor Colin Humphreys anunciou à Reuters (18) que a última ceia se deu em uma quarta-feira. Professor da Universidade de Cambridge, Humphreys se dedica ao estudo da “última semana” desde 1983 e teve apoio de um astronauta para reconstruir o calendário pré-exílico que, segundo eles, os levou ao dia 10 de abril do ano 33 d.C. Nessa data - que o pesquisador chama de “um dia perdido” (referindo - se a quarta - feira) - Jesus celebrou a última ceia e em seguida foi conduzido ao julgamento.

“Eu estava intrigado com as histórias bíblicas sobre a última semana de Jesus, nas quais ninguém consegue encontrar nenhuma menção de quarta-feira. É chamado de um dia perdido".

A credibilidade de Humphreys é posta a prova diante do fato de que o relato que temos nos evangelhos é inversamente outro. A cronologia oferecida por Marcos não nos deixa em dúvida.

“E, no primeiro dia dos pães ázimos, quando sacrificavam a páscoa, disseram-lhe os discípulos: Aonde queres que vamos fazer os preparativos para comer a páscoa?” (Mc. 14. 12)

“E, logo ao amanhecer, os principais dos sacerdotes, com os anciões, e os escribas, e todo o Sinédrio, tiveram conselho; e, ligando Jesus, o levaram e entregaram a Pilatos”. (Mc 15.1)

“E, chegada à tarde, porquanto era o dia da preparação, isto é, a véspera do sábado” (Mc. 15. 42)

“E Jesus, tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulso sete demônios” (Mc. 15.9).

Na descrição de Marcos temos uma cronologia precisa, que começa com a celebração da Páscoa (em uma noite de quinta-feira), o julgamento ao amanhecer (veja que a virada da quinta para a sexta-feira é explicita em 15.1), a crucificação a véspera do sábado e a ressurreição no primeiro dia da semana (domingo). Somente a menção ao primeiro dia da semana serve como prova cabal de que a ressurreição de Jesus se deu no domingo, e não no sábado como afirmam os adventistas.

O argumento sabatista - de que Jesus ressuscitou em um sábado - se baseia em Mateus 12.40. Na passagem, Jesus associa sua morte e ressurreição aos três dias e três noites em que Jonas esteve no ventre da baleia. Acreditando serem três dias literais (que totalizariam 72 horas corridas) os adventistas chegaram à conclusão de que a quarta-feira seria a data - início das 72 horas mencionadas por Jesus. Logo, segundo eles creem, Jesus somente poderia ter ressuscitado no sábado. Tal interpretação não resiste à exegese bíblica.

Não é possível dizer, por exemplo, que Jonas permaneceu exatas 72 horas no ventre da baleia. Do mesmo modo, não podemos interpretar Marcos 8.31 como sendo 72 horas corridas. De acordo com a Mishnah Judaica, uma parte do dia é a totalidade dele. Josh McDowell acrescenta:

“Mesmo hoje, muitas vezes usamos o mesmo princípio com referência ao tempo. Por exemplo, muitos casais esperam que seus filhos nasçam antes da meia – noite de 31 de dezembro. Se nascida às 23h59, a criança será tratada, para efeito de imposto de renda, como tendo nascida há 365 dias e 365 noites daquela data. E isto é verdade, mesmo que 99,9% do ano já se tenha passado” (As Evidências da Ressurreição de Cristo)”.

Assim, de acordo com a lei judaica e com base em textos de autores renomados da atualidade, compreendemos o significado de Mateus 12.40. Mesmo que tomássemos os três e três noites de Mateus 12.40 como sendo 72 horas exatas, como poderíamos conciliar com o fato de que Jesus ressuscitou na manhã do primeiro dia (sendo ainda escuro, acrescenta João)? Ademais, temos como apoio a evidência de que o Judaísmo considera como primeiro dia da semana o domingo, e não a segunda, como no calendário solar (romano).

Portanto, seria forçar por – de – mais o texto de João – que afirma que Jesus celebrou a páscoa (Jo. 13.1) – como tendo ocorrido no dia 10 de abril, em uma quarta – feira. Primeiro, porque não há consenso entre os especialistas quanto à data correta da páscoa mencionada nos evangelhos. Segundo, porque não há um dia especifico da semana para celebração da Páscoa; o que há é uma referência ao dia 14 de Nisã. A cada ano, a Páscoa é celebrada em um dia diferente, como vemos na retrospectiva abaixo.

Ano 5762 (2001-2002) - Quinta-feira, 28 mar: Pessach
Ano 5763 (2002-2003) - Terça-feira 6 abril: Pessach
Ano 5765 (2004-2005) - Domingo, 24 de abril: Pessach
Ano 5766 (2005-2006) - Quinta - feira, 13 de abril: Pessach
Ano 5767 (2006-2007) - Terça - feira, 3 de abril: Pessach
Ano 5768 (2007-2008) - Domingo, 20 de abril: Pessach
Ano 5769 (2008-2009) - Quinta - feira, 9 de abril: Pessach
Ano 5770 (2009-2010) - Terça-feira, 30 de março: Pessach
Ano 5771 (2010-2011) - Terça-feira, 19 abril: Pessach

Com base na retrospectiva acima – e há projeções para além de 2050 – a possibilidade da Páscoa (do hebraico “Pessach”) descrita nos evangelhos ter acontecido em uma quarta-feira é mínima e, concordemos, difícil de estabelecer. Acrescenta-se ainda o fato de que nem mesmo há uniformidade de mês, podendo variar de março a abril – dependendo, obviamente, das fases lunares. O mais provável é que a páscoa teria começado em uma quinta – feira, porque então não faria sentido Marcos (e também João) mencionar o primeiro dia da semana como sendo a data em que Jesus teria ressuscitado – sabendo, como já provamos, que os judeus consideram como primeiro dia da semana o domingo.



Johnny T. Bernardo é apologista e colabora com o Genizah













 

páscoa 7985660327555691952

Postar um comentário

ATENÇÃO: Comente usando a sua conta Google ou use a outra aba e comente com o perfil do Facebook

emo-but-icon

Início item

Em quem você vai votar para presidente da república?

SOBRE A ENQUETE

Está é uma enquete entre os leitores do site evangélico Genizah. Não se trata de uma pesquisa eleitoral. A metodologia não obedece critérios científicos. Por esta razão, não possibilita inferência confiável e nem se presta a matéria jornalística, sendo assim, não se sujeita às normas do TSE.
Instagram


Siga por e-mail