681818171876702
Loading...

Mínimo Denominador Comum

Fabricio Cunha

De tantas coisas importantes que aprendi no tempo de convivência com o teólogo e filósofo Ed René Kivitz, um mestre por natureza, a principal de todas elas está numa folha, uma lauda só, só frente, datilografada há muitos anos e xerocada por mim... Ele ainda era estudante universitário quando, numa reunião entre poucos amigos onde moravam, perto da faculdade, colocaram em pauta a seguinte questão: “qual seria a filosofia de uma igreja relevante”. Com a ajuda do grande filósofo Ariovaldo Ramos, escreveram ali uma lauda com uma filosofia do que seria uma boa proposta de comunidade cristã. Era seu mínimo denominador comum. 

Ed René tornou-se pastor de uma grande igreja em São Paulo. Ao longo de seu ministério pastoral, procurou, conheceu, testou várias metodologias de igreja para, 20 anos depois, concluir que era aquela folha rabiscada de forma tão sincera e singela, há tantos anos, o resumo mais coerente de tudo o que procurara e vivenciara enquanto sistemas aplicáveis a uma comunidade. Aquela folha datilografada era a síntese de um sonho. Era tão sincera e leve, quanto densa e expressiva. Permitia que navegassem com liberdade por vários mares, sem perder a direção, aquele núcleo central que os manteria na rota, independente das possíveis intempéries.

 Em 2013, revi minha caminhada existencial. Reavaliei a minha fé, solo sobre o qual pisei nos últimos muitos anos de minha vida. Repensei sobre minha vida, a vida ao entorno de mim, sobre as amizades, as decisões, as trajetórias possíveis, olhei, pensei, sorri, chorei, silenciei ao encontrar-me com meu passado, o mais longínquo e o mais recente. 

Todos nós precisamos de uma lauda que seja, que nos mantenha vivos e caminhando n’alguma direção. Não que não possamos mudar os planos daquilo que escrevemos em algum momento da vida, mas algumas coisas devem ser tão sólidas, algumas poucas, que nos permitam transitar por terrenos mais estranhos, ir e vir no diferente e mudar a direção quando necessário, tendo, na solidez desse mínimo, alguma segurança. 

Meu mínimo denominador comum permanece o mesmo: 

• Tenho um mestre maior chamado Jesus de Nazaré e com Ele aprendi que: 

  •  Toda e cada pessoa tem potencial para ser humana. Cada vez mais humana;
  • Nossas relações devem se estabelecer sobre três alicerces, a reciprocidade, a alteridade e a incondicionalidade. Os relacionamentos afetivos e fraternais devem ser recíprocos. Nossa relação com a humanidade deve ser de alteridade. E nossa paternidade e maternidade devem ser incondicionais em relação aos seres que gerarmos; 
  •  A sociedade pode subverter a ordem na qual está estabelecida, trocando a competitividade pela solidariedade, o poder do dinheiro pela força do amor, a tendência ao acúmulo pela partilha e o juízo e a maldade pela graça e misericórdia. 
 
Tento me alimentar desses três parágrafos, meu mínimo denominador comum, e seguir adiante. Tudo o mais é supérfluo. Mas como é difícil.

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail