681818171876702
Loading...

Igreja evangélica brasileira: realidade e desafios

por Johnny Bernardo

Segundo levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e disponível a partir de 2012, o número de evangélicos é de 42,5 milhões. De fato, o movimento evangélico brasileiro cresceu de forma surpreendente e podemos afirmar que o número de praticantes já superou o de católicos – há apenas sete milhões de católicos praticantes no Brasil, conforme exposição feita pelo padre jesuíta Thierry Lierry de Guertechin, à 50º Assembleia Geral da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), em abril de 2012.



Apesar da superação numérica – pelo menos no que se refere ao número de praticantes -, a igreja evangélica passa por uma crise de identidade inegável para qualquer pesquisador da religião. Não obstante a qualidade e precisão das estatísticas desenvolvidas pelo IBGE há uma camada não penetrável pelo Instituto. Por exemplo, o simples fato de alguém demonstrar interesse ou opção religiosa não qualifica tal pessoa - o Censo é desenvolvido com base em declarações. 

Outro problema ocorre com relação às igrejas neopentecostais. Por exemplo, o número de seguidores da Igreja Universal do Reino de Deus é algo em torno de 1,873 milhões – considerando a queda de 10,8% verificável nos últimos anos – e, apesar do crescimento de consciência em algumas regiões do Brasil, grande parte dos que participam das reuniões da IURD não possui formação evangélica definida. O mesmo pode ser identificado na Mundial do Poder de Deus, cujos fieis são atraídos por campanhas de cura e libertação, mas sem acompanhamento bíblico, pastoral.

Obviamente que estamos diante de uma dificuldade, de um problema que diz respeito unicamente às autoridades pastorais. Apesar das diferenciações entre o que aponta o IBGE e o que se verifica internamente, é notório que a “imagem” da igreja tem crescido, sobretudo, na grande mídia, por meio de figuras conhecidas – a exemplo de cantores como Ana Paula Valadão e Thalles Roberto que, recentemente, tiveram participação em programas da Rede Globo de Televisão. O fenômeno ocorre em decorrência do aumento do poder de consumo de um seguimento que, até recentemente, era alvo de críticas.

Podemos concluir que a igreja evangélica passa por um período de grande crescimento no Brasil, mas problemas como dissenções, lavagem de dinheiro, nepotismo, extremo centralismo administrativo, brigas por poder, são elementos que descaracterizam parte do crescimento. Outro problema é o distanciamento verificável em algumas igrejas com relação à sociedade. Nos últimos anos a igreja tem se caracterizado como uma “igreja de templos”, de “liturgias”, sem presença relevante na sociedade. Oswaldo Prado finaliza: “Mesmo tendo Jesus afirmado que chegaria a hora em que seus adoradores o adorariam em espírito e em verdade, ainda somos uma igreja de templos. [...] Em verdade, os evangélicos estão, muitas vezes, circunscrevendo sua fé aos limites do templo” (Povos, Edição 3,  p.30).



Johnny Bernardo é jornalista, pesquisador da 
religiosidade brasileira e colaborador do Genizah 

Contato: pesquisasreligiosas@gmail.com 



 

Teologia 7759673018999688890

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail