681818171876702
Loading...

@zebrunoresgate : Nenhuma lembrança que guardo da vida pode ser tão bem revisitada como no momento em que ouço a trilha sonora que a embalou.




Zé Bruno


Esta semana participei do programa de entrevistas “Meia Hora” com João Alexandre na Koinonia on line, um momento especial pra mim, depois de um programa muito agradável, ainda tive a grata surpresa de conhecer o Paulo César (Logos) no final.

O João e o Paulo fizeram parte da minha iniciação musical. O João pela sua história como cantor e compositor, seja na carreira solo ou com o grupo Pescador, ou Milad, ou VPC. O Paulo por tudo que fez com o Elo e depois com o Logos.

A música é uma linguagem universal, sons e palavras nos emocionam e marcam momentos da nossa vida. Quando ouço antigas canções me sinto transportado no tempo. A canção me faz lembrar de onde eu estava quando a ouvi, traz de volta os sentimentos que na época sentia, as pessoas que estavam ao meu redor, a canção traz de volta os mesmos sonhos da época, a mesma inocência juvenil, o cheiro do local e a emoção que impulsionava o coração.

Nenhuma lembrança que guardo da vida na memória pode ser tão bem revisitada como no momento em que ouço a trilha sonora que a embalou. Pra mim, a música encurta o tempo que passou tornando-nos jovens de novo, nos inspira a mergulhar no sonho do seu universo como faz uma criança, e eterniza momentos do coração como se fôssemos imortais. É uma dádiva de Deus ao homem. A melodia, a harmonia e o ritmo estão em todos os cantos da natureza, a poesia está no coração e na boca do homem e a inspiração está no seu íntimo onde o Espírito de Deus o ensina.

Encontrar esses dois caras me fez viajar no tempo como um Marty McFly na máquina de Emmett Brown em “De volta para o Futuro” do século 21. Foi como encontrar pela primeira vez pessoas íntimas que viveram comigo toda a adolescência e juventude através do meu velho Stereo System CCE.

Cada LP de VPC, MIlad, Elo, Logos, Som Maior, cada composição do João, do Paulo, do Guilherme Kerr, do Bomilcar, do Sérgio Pimenta, do Janires, cada entonação da voz da cada um deles, do Jorge Camargo, da Cíntia e da Sílvia, enfim, todo este universo, fez parte da atmosfera do meu crescimento.

Se eu sou saudosista? Quem não é?
O moderno pra mim hoje, será saudade pra mim amanhã. Como bem escreveu Belchior, e muito bem cantou Elis:

“Nossos ídolos ainda são os mesmos
E as aparências não enganam não
Você diz que depois deles não apareceu mais ninguém”

É assim que eu sinto.





Tem muita gente fazendo muita coisa boa na música hoje. Tem muita gente compondo ainda com poesia e consciência, mesmo no nosso universo musical tão carente de reflexão e teologia. Esses heróis da resistência com certeza fazem parte de uma linhagem nascida talvez na sinceridade e temor do rei Davi, e que passou por estes meus mestres, destacando que ainda estão na ativa e bem ativos. Agora me sinto desafiado e por eles encorajado a fazer parte dessa gente. Gente boa de coração. Deus me ajude todo dia.

Alguém pode pensar que eu seja contra toda e qualquer manifestação musical dos dias de hoje, absolutamente não. Eu me sinto um garimpeiro na margem do rio procurando brincos para os ouvidos e não só para as orelhas, e tenho ouvido muita coisa legal, mas eu não sou crítico, apenas observador.

Não sou o saudosista que se fecha para o mundo de hoje, só não quero ser de um mundo hoje que não tem saudade de sua bela história. A história me faz entender de onde foi que eu vim, me faz ver os acertos do passado pra que eu seja sábio em reproduzi-los, e me aponta os erros cometidos pra que eu nunca os repita.

Esses personagens da minha história me ensinaram muito à distância, e hoje, aos poucos, a história corre no tempo e me alcança pra minha cura. Pensava eu que havia perdido muito tempo, mas “se penso, logo existo”, então ainda vivo pra pensar tudo de novo. Que bom.

Agradeço a vida por estas oportunidades, e agradeço a Deus pela graça que me deu a vida.


[No blog do Zé]









 

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail