681818171876702
Loading...

Pastor e mais sete cristãos são condenados à morte no Egito por filme anti-islã


Sete cristãos coptas do Egito e um pastor americano são condenados à revelia sob acusação de participar de vídeo anti-Islã que desatou onda de protestos em setembro



Um tribunal do Cairo condenou nesta quarta-feira à revelia sete cristãos egípcios e o pastor norte-americano Terry Jones que é o líder de uma pequena congregação na Florida e tem se envolvido em recorrentes polêmicas.

O tribunal os sentenciou à morte sob acusação de que participaram em um vídeo anti-Islã, cuja divulgação na internet em setembro provocou protestos violentos em vários países muçulmanos.

"Os acusados foram condenados por insultos à religião islâmica pela participação na produção e distribuição de um filme que insulta o Islã e seu profeta", disse o juiz Saif al-Nasr Soliman.

O vídeo semiamador e de baixo orçamento, que foi produzido na Califórnia, insulta o profeta Maomé e provocou protestos contra os EUA e ataques a embaixadas ocidentais em vários países muçulmanos.

O caso é amplamente simbólico, já que os sete homens e uma mulher estão fora do Egito e é improvável que viajem ao país para enfrentar as acusações. O julgamento foi visto como uma tentativa de absorver a raiva pública relacionada ao filme "A inocência dos Muçulmanos", que retrata o Profeta Maomé como mulherengo, bufão e uma fraude.

Cena do filme que gerou protestos entre muçulmanos
Na segunda-feira, o jornal americano New York Times indicou que Basseley Nakoula , o suposto produtor do filme islamofóbico, não tem remorsos. "Antes de escrever o roteiro, pensei que me imolaria em praça pública para divulgar minha mensagem aos povos americano e povos do mundo", disse Nakoula, respondendo a perguntas em escrito formuladas pelo jornal.

O filme ofendeu multidões de muçulmanos, desencadeando uma onda de protestos antiamericanos no Oriente Médio, deixando mais de 30 mortos.

O homem cita a morte de 13 pessoas na base militar de Fort Hood no Texas, em novembro de 2009 - em um incidente em que um psiquiatra militar muçulmano foi considerado culpado - como prova das "atrocidades" cometidas "em nome de Alá". "Senti-me ainda mais comovido e enfurecido" após a matança de Fort Hood, disse Nakoula, um cristão copta nascido no Egito.




Com informações Ig/Reuters/AP/AFP/Diário de Notícias - Lisboa





 

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail