681818171876702
Loading...

Falsa igreja era fachada de quadrilha criminosa


Quadrilha usava igreja de fachada para crimes contra sistema financeiro. Servidores públicos subtraíam processos da Receita em troca de comissão.






A Polícia Federal deflagrou na quarta-feira (31/10) em São Paulo a Operação Lava Rápido para desarticular organização criminosa especializada em crimes contra o sistema financeiro nacional, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e subtração de procedimentos fiscais da Secretaria da Fazenda estadual.

Segundo a PF, o inquérito teve início em março passado após a constatação de que "uma pequena igreja" havia movimentado em suas contas quase R$ 400 milhões em operações financeiras. A igreja tinha registros nos cadastros do Fisco apenas para acobertar as atividades ilícitas de empresas do grupo. 

"A associação foi criada por gozar de imunidade tributária, o que diminuiria as probabilidades de fiscalização na visão dos integrantes do grupo", informou em nota a PF. Os policiais federais descobriram também que empresas de fachada foram criadas com a finalidade de realizar sonegação fiscal e evasão de divisas. As empresas fictícias recebiam recursos que eram remetidos ilegalmente, por meio de doleiros, ao exterior.

Veículos também foram apreendidos durante operação da PF 

A PF cumpriu 6 mandados de prisão e 12 de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Atibaia e Valinhos. A operação foi desencadeada com autorização da 2.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, especializada em ações contra crimes financeiros.

Ao todo, foram apreendidos 14 veículos, cinco procedimentos fiscais de pessoas jurídicas e um de pessoa física avaliados em 30 000 dólares e 100 000 reais.

Ainda de acordo com a PF, os investigados responderão, de acordo com suas atuações, por crimes contra o sistema financeiro, subtração de processos, corrupção ativa e passiva, tráfico de influência, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, falsidade ideológica e sonegação fiscal, cujas penas somadas podem atingir 28 anos de prisão.


Com informações Estadão/Veja/Terra






 

caso de polícia 7816902381892075743

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail