681818171876702
Loading...

Feridas Feitas pela Família




Carlos Moreira

“Pois o filho despreza o pai, a filha se rebela contra a mãe, a nora, contra a sogra; os inimigos do homem são os seus próprios familiares”. Mq. 7:6

É certo que o ser humano não se desenvolve de maneira plena em suas competências emocionais, motoras e cognitivas sem a presença de uma família. Também é fato que ela é o núcleo sobre o qual a sociedade se desenvolve. Por isso, quanto mais saudável e sustentável for, melhores serão as possibilidades de se constituir um povo bem sucedido.

Contudo, não há como negar, famílias também podem se demonstrar “usinas” de neuroses, ambientes de agressão e desconstrução do ser, lugares que fazem a psique adoecer, casas onde a erosão da vida provoca feridas tão profundas que acabam tatuadas na alma, ficam “impressas” no indivíduo para todo o sempre. Não se enganou Lutero, o grande reformador, quando proferiu: “A família é a fonte da prosperidade e da desgraça dos povos”.

O texto citado acima nos remete ao ano 690 a.C. Vivendo as agruras de seu tempo, mergulhado em meio a uma sociedade desprovida de significados, o profeta Miquéias nos expõe o “mosaico” da dessignificação a qual o ser humano pode chegar. Na sua leitura lúcida e realista, constata que até mesmo as relações parentais haviam perdido o seu propósito, pois o amor afastara-se, em definitivo, do coração dos homens.

Fato é que as Escrituras não camuflam os dramas vividos em família. Pelo contrário, em suas páginas encontramos, por vezes, com riqueza de detalhes, dramas dos mais diversos experienciados dentro da própria casa, os quais envolvem pai, mãe, filhos, genro, cunhada, nora, sogra, tios, primos e sobrinhos. Nem mesmo Jesus foi poupado de viver tais circunstâncias, pois, em João 7 verso 5, vemos que seus próprios irmãos sanguíneos não acreditavam nele, ainda que vissem as obras que Ele realizava.

Só para demonstrar como o tema é complexo e difícil, lembre-se que Caim matou o seu irmão Abel; os filhos de Noé zombaram do pai que havia se excedido na bebida; Ló se desentendeu com Abraão e se apartou dele; Jacó enganou o pai e roubou o irmão com a aquiescência da mãe; os irmãos de José, com ciúmes, o venderam como escravo; Dalila traiu o seu marido, Sansão, por 1.100 moedas de prata; Absalão matou seu irmão Amnom e este, por sua vez, estuprou a própria irmã; a mulher de Jó aconselhou-o a blasfemar contra Deus. Se formos observar as leis dadas a Moisés, veremos quantas citações existem para regulamentar as conflituosas relações entre os membros de uma família. Certa estava Madre Teresa de Calcutá ao referir: “É fácil amar os que estão longe. Mas nem sempre é fácil amar os que vivem ao nosso lado”.

De fato, Miquéias fez uma leitura bastante coerente quando afirmou, a partir de sua própria percepção de mundo, que os inimigos do homem estavam em sua própria casa, dentro da família. Isso acontece porque as relações familiares são mesmo difíceis, cheias de idiossincrasias, pois, aqueles a quem mais amamos, não raro, são os que mais profundamente são capazes de nos ferir.

Quando o indivíduo nasce em um lar equilibrado, onde os relacionamentos são saudáveis, onde há respeito, amor, incentivo, a vida certamente é muito mais fácil de ser vivida. Mas, o que fazer quando a família a qual pertencemos é uma família doente? O que fazer quando conviver no ambiente familiar produz feridas na alma, quando estar entre aqueles que são do nosso sangue significa ficar exposto a toda sorte de problemas, humilhações, destemperos, agressões e maus tratos?

E mais... O que fazer com as prementes advertências das Escrituras sobre o tema? Como lidar com passagens tais como: “Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel” 1ª Tm 5:8; ou: “Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo”. “Honra teu pai e tua mãe", este é o primeiro mandamento com promessa...” Ef. 6:1-3; e ainda: “Façam todo o possível para viver em paz com todos”. Rm. 12:18.

Bem, numa leitura "rasa", “fria”, sem observarmos certos contextos familiares, tudo parece muito simples e óbvio. Porém, há casos em que a “letra” acaba sendo usada para a morte, não para a vida! O que fazer, por exemplo, com um pai que molestou durante toda a infância a filha? Ou com o marido que traiu a esposa tendo constituído uma outra família? Ou com a sogra que envenena o filho contra a nora? Ou com o genro que quer afastar a filha do convívio com os pais? Questões como estas devem levar os pastores a fazer uma análise muito cuidadosa antes de proferir alguma opinião ou dar algum conselho.

Eu não estou dizendo aqui que nós devemos relativizar as Escrituras, que ela se aplica a uma situação e a outra não. Mas há de se considerar que existem situações de exceção. Lembremos, por exemplo, do que disse Jesus sobre o divórcio, que ele se constituía uma concessão de Deus por causa da dureza do coração dos homens. O propósito de Deus é que o casamento seja indissolúvel, mas há situações em que o convívio conjugal torna-se insalubre ao ser. Nestes casos, lembrando Paulo, que afirma: “Deus os tem chamado a paz”, é melhor apartar-se do que viver, literalmente, no inferno!

Como pastor, tenho me deparado com muitos dramas familiares. Parece não haver algo que seja tão destrutivo na vida das pessoas quanto estas questões. E em circunstâncias desta natureza, tenho sempre pedido a Deus que me dê sabedoria para que minha palavra seja conforme o “espírito” do Evangelho, e não conforme o “espírito” da Lei. Certo é que cada caso é um caso, e que não devemos nos precipitar com análises legalistas e com sentenças temerárias. Por isso, nunca esqueço o que disse Shakespeare: “Todo mundo é capaz de suportar uma dor, exceto quem a sente”.

Família é coisa santa, sagrada e maravilhosa. Mas também pode ser uma tragédia na vida de muitos. No final do Velho Testamento, o profeta Malaquias adverte: “Ele fará com que os corações dos pais se voltem para seus filhos, e os corações dos filhos para seus pais; do contrário eu virei e castigarei a terra com maldição.” Ml. 4:6. Essa “sentença” nos remete ao fato de que a desagregação gerada pela crise familiar produz tanta desarmonia e desgraça que aquilo que acontece no chão da terra acaba se constituindo “ferida”, e não paz e bem na vida.

O psicanalista francês Charles Melman, de 76 anos, colaborador de Jacques Lacan, herdeiro de Freud, atento observador da realidade contemporânea, afirmou: “Pela primeira vez na história, a instituição familiar está desaparecendo, e as conseqüências são imprevisíveis. Impressiona-me que antropólogos e sociólogos não se interessem por isso”. Em suma, o que vejo é que sua percepção, mesmo não sendo ele um “homem do sagrado”, reforça ainda mais o que afirmou Malaquias, cerca de 2.500 anos atrás.

Eu sei que família é algo que nasceu no coração de Deus, mas também não tenho como negar que, por vezes, e isso cada vez de forma mais recorrente, ela pode produzir mais mal do que bem. Como afirmou Sartre, diante de um contexto específico: “Família é como a varíola: a gente tem quando criança e fica marcado para o resto da vida”.

Bem, se você se encontra entre os que não têm como manter vínculos familiares sadios, se sua família complica mais do que ajuda, se o convívio, por questões diversas, tornou-se insustentável, não se desespere. Tenho visto, com o passar dos anos, que Deus sempre encontra formas de conspirar a nosso favor. Assim, muitos são abençoados com “pais”, “mães”, “irmãos” e “irmãs” que são do coração, fazem parte da “família da fé”, foram colocados pelo próprio Senhor em nossas vidas para suprir as lacunas que ficaram em nossas almas.

Agora, preste atenção: não guarde rancor e sentimentos de amargura contra os seus! Perdoe! Não há nada mais destrutivo na vida do que carregar sentimentos maus contra pessoas da própria família. No mais, faça o caminho, em paz e com alegria, e seja agradecido por aquilo que a vida lhe trouxer, pois tudo acabará corroborando para te fazer, sempre, alguém melhor!   


Carlos Moreira é editor assistente do Genizah e escreve também para a Nova Cristandade.



 

Artigos 8215493047217320300

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail