681818171876702
Loading...

Vídeo flagra um TJs pregando repúdio entre pais e filhos




Um vídeo [ver trecho abaixo] mostra a pregação de um pastor (ou ancião) das TJs (Testemunhas Jeová) sobre como a família deve “repudiar” seus membros que foram expulsos da igreja por não se ajustarem às normas divinas.


As recomendações, segundo o pastor, valem para mães contra os filhos, para filhos contra as mães, igualmente em relação aos pais, irmãos, avós, tios, primos, cunhados, etc. É assim que Jeová quer, disse.


Após ter dito “repudiar”, o pastor deu conta de que se trata de um verbo muito duro e o substituiu por “cortar relação”. 

Antes, comparando os fiéis a crianças, ele disse que em todas as religiões quem não for “disciplinado” é expulso da convivência dos demais. Explicou que, no caso das Testemunhas de Jeová, essa pessoa é chamada de “desassociada”. 

O pastor se preocupou em fundamentar com textos bíblicos a sua didática sobre a exclusão dos desajustados. Ele leu, por exemplo, 1 Corintios 5:11, onde o apóstolo Paulo afirma que o devoto não pode ter convivência com fornicador, ganancioso, idólatra, injuriador, beberão ou extorsor, “nem sequer comendo com tal homem”. E, se houver persistência no erro, “removei o homem iníquo dentre vós”.

O vídeo de 24 minutos foi postado na internet por uma comunidade de ex-Testemunhas de Jeová, que é formada principalmente por desassociados. Não há informação sobre o nome do pastor e sobre quando e onde foi feita a pregação. 

Ao final do vídeo, o pastor reconheceu ser difícil “cortar a relação” com pessoas com as quais se vive em casa, pais e filhos, por exemplo. Nesse caso, disse, o relacionamento deve se restringir ao "necessário” porque não dá para "ficar mudo". Orientou que, quando se tratar de familiares que moram em casas diferentes, o rompimento tem de ser total, exceto se for preciso dar assistência a doentes.

A discriminação das Testemunhas de Jeová aos desassociados se tornou notória, tanto quanto o seu veto à transfusão de sangue. 

Em meados de 2011, a  procuradora Nilce Cunha Rodrigues, do Ministério Público Federal no Ceará, moveu uma ação civil pública contra as TJs porque, para ela, a denominação pratica a discriminação com o propósito de “infligir sofrimentos” aos ex-fiéis “como forma de punição” pelo seu afastamento do ensinamento bíblico.

Como era de se esperar, dirigentes das TJs têm negado que praticam a intolerância contra ex-fiéis, mas a pregação do pastor pela destruição familiar, como mostra o vídeo, não deixa margem para dúvida. 


"Removei o homem iníquo dentre vós"








 






 

religião 609136882641644142

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail