681818171876702
Loading...

FESTA PARA COMEMORAR DIVÓRCIO ESTÁ VIRANDO MODA NO BRASIL!



Eliel Gaby




Hoje pela manhã me surpreendi com o tema quando assisti um programa na TV Bandeirantes sobre o tema. Fiquei mais surpreso ao perceber que ando meio desatualizado, uma vez que esta prática já está acontecendo há alguns anos.

Rapidamente apertei a tecla F5 pra atualizar-me. O texto abaixo, de autoria de Maria Fernanda Seixas, publicado pelo "Correio Braziliense" nos dá uma idéia desta nova onda.

Para um bebê que nasce, o batizado. Para alguém que morre, um funeral. Para o casal que se une, o casamento, e para a chegada de um novo ano, o Réveillon. Cerimônias de passagem que encerram ou abrem portas para novas fases na vida das pessoas. Pensando nisso, os americanos tiveram a ideia de criar um novo hábito ritualístico para uma transição cada vez mais comum: o divórcio. Conhecidas como festas de descasamento, despedidas de casados ou celebrações do divórcio, elas já são febre nos Estados Unidos e começam a se tornar populares no Brasil.

Segundo uma das maiores entusiastas do que seria o novo ritual do século 21, a escritora americana Christine Gallagher, autora do livro “The Divorce Party Planner”, ainda sem tradução para o português (algo como “o planejador da festa de divórcio”), a proposta não é festejar o término de um casamento e, sim, permitir que a pessoa demarque um momento de superação e celebre com positividade uma nova fase que virá.

– Pessoas recém-divorciadas, muitas vezes, se sentem desconectadas e tristes. Promover um encontro entre amigos e familiares queridos que a apoiem e reforcem o quanto ainda são queridas as ajudam a dar a volta por cima – diz Gallagher.

E vale tudo para superar o fracasso da tentativa de ser feliz para sempre ao lado de alguém. Segundo Christine, o mais comum é que o ex-casal celebre separadamente e das mais variadas maneiras: com festas, jantares, noitadas ou mesmo com uma boa noite de conversa. Há quem chame a família e os amigos. Há quem convide todos os conhecidos. E há também aqueles que preparam um ritual de catarse: queimam fotos, cartas, enterram as alianças em caixões chamados ring coffins (caixão para alianças), gritam, choram e botam os demônios para fora.

Mas há casos – ainda que raros – em que a dupla festeja junta o fim do casamento.

– É raro, pois há sempre alguém magoado. Mas se eles forem realmente amigos, podem, sim, promover esse ritual juntos – explica a escritora.

Para a psicóloga Regina Navarro Lins, autora do livro “Cama na Varanda”, é válido as pessoas quererem comemorar o fim de uma fase difícil e o começo de uma vida nova.

– Para alguns, o casamento é muito desgastante. Não é raro ver pessoas saindo literalmente aliviadas de um divórcio. Elas conseguem se desvencilhar do ideal do par amoroso e da obrigatoriedade de estar com alguém que já não ama mais.

Regina explica que o fim de um casamento era visto antes como uma tragédia social, mas agora é encarado com normalidade por parte da família e dos amigos.

Festa à brasileira

No Brasil, as despedidas de casado são cada vez mais populares nos grandes centros, e o comércio já investe nesse novo filão de mercado. Em São Paulo, empresas de festa promovem decorações especializadas, como bolos de descasamento com noivos e noivas se estrangulando ou empurrando um ao outro para fora do topo do bolo, balões com os dizeres “solteiro de novo”, lembrancinhas, convites personalizados e até os tradicionais doces bem-casados, agora na versão bem-descasado.









Vida prática 4886129254342291325

Postar um comentário

Página inicial item

Siga por e-mail